Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado II - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

domingo, 31 de agosto de 2008

3,000-year-old apiary discovered in Israel

Archaeo News, em 31/08/2008 - The Bible refers to ancient Israel as the 'land flowing with milk and honey,' so it's fitting that one of its towns milked honey for all it was worth. Scientists have unearthed the remains of a large-scale beekeeping operation at a nearly 3,000-year-old Israeli site.

Excavations in northern Israel at a huge earthen mound called Tel Rehov revealed the Iron Age settlement. From 2005 to 2007, workers at Tel Rehov uncovered the oldest known remnants of human-made beehives, excavation director Amihai Mazar and colleagues report. No evidence of beekeeping has emerged at any other archaeological sites in the Middle East or surrounding regions. "The discovery of an industrial apiary at Tel Rehov constitutes a unique and extraordinary discovery that revolutionizes our knowledge of this economic endeavor, particularly in ancient Israel," says Mazar, an archaeologist at the Hebrew University of Jerusalem.

Many scholars assume that ancient Israelis made honey from fruits such as figs and dates. Nowhere does the Bible mention beekeeping as a way to produce honey, according to Mazar. The earliest known depiction of beekeeping appears on a carving from an Egyptian temple that dates to 4,500 years ago. It shows men collecting honeycombs from cylindrical containers, pouring honey into jars and possibly separating honey from beeswax. Beehives portrayed in ancient Egyptian art resemble those found at Tel Rehov, as well as hives used today by traditional Mediterranean and Middle Eastern groups, says entomologist Gene Kritsky of the College of Mount St. Joseph in Cincinnati. "Tel Rehov is so important because it contains a full apiary, demonstrating that this was a large-scale operation," Kritsky says.

Mazar's team has so far uncovered 25 cylindrical containers for bees in a structure that is centrally located in the ancient city at Tel Rehov. High brick walls surrounded the apiary. Beehives sat in three parallel rows, each containing at least three tiers. Each beehive measured 80 centimeters long and about 40 centimeters wide. In the best-preserved beehives, one end contains a small hole for bees to enter and exit. A removable lid with a handle covers the other end. Chemical analyses of two Tel Rehov beehives revealed degraded beeswax residue in the containers' unfired clay walls. The researchers are now examining pollen remains and bee bodies found in charred honeycombs from inside the hives.

A violent fire in ancient times caused walls surrounding the hives to collapse and destroy many of the bee containers. Radiocarbon measures of burned grain from the apiary floor and nearby structures provided an age estimate for the finds. Mazar estimates that the ancient apiary contained at least 75 and perhaps as many as 200 beehives. The facility held more than 1 million bees and had a potential annual yield of 500 kilograms of honey and 70 kilograms of beeswax, Mazar says. Only a strong central authority could have established and maintained a large apiary in the center of town, Mazar notes.

The apiary apparently hosted ceremonies intended to spur honey production and ensure the operation's success. Ritual finds near the hives include a four-horned clay altar that features carved figures of two female goddesses flanking an incised tree.

Source: ScienceNews (29 August 2008)

sábado, 30 de agosto de 2008

Jesus vai à escola

Jesus vai à escola
O ensino religioso está ganhando espaço nas escolas da rede pública. Como trazer Deus para as salas de aula de forma respeitosa para todas as linhas religiosas?
>>> Confira a seguir um trecho dessa reportagem que pode ser lida na íntegra na edição da revista Época de 01/Setembro/2008.

Veja mais:

דָּבָר Biblical Hebrew Vocabularies

דָּבָר Biblical Hebrew Vocabularies

Davar was developed at The University of Auckland in a project team consisting of staff from its School of Theology and the Centre for Flexible and Distance Learning. It utilises the web to provide the framework for a multimedia vocabulary which can be customised by teachers and augmented by selected scholars. It could also be adapted for other languages with similar learning needs, although no mechanism is provided for this. It was developed to address a number of perceived needs in the teaching of Hebrew.

Davar's original aim was to provide a multimedia environment to help students at The University of Auckland to grasp the many unfamiliar complexities of Biblical Hebrew. For many of our students these complexities require a new way of thinking. The web can provide animations, sound and graphics to facilitate this, as well as a wide range of linguistic data and mnemonic cues.

A second aim was to build in the flexibility to allow the vocabularies to be customised so that they could be used with different textbooks or lesson objectives. To this end, we wanted to be able to sort lists and to extract groupings of words. This aim has been achieved and teachers wishing to use this feature can register for access to the vocabularies. They can then group words according to their needs and download to a zipped file for use in their own teaching. These can be published as vocabulary pages (book style) and as flash cards. For more details see using the vocabularies for teaching.

Thirdly, as the Biblical Hebrew scholarly community is not large and is spread throughout the world, we wanted to provide a dynamic resource, whereby academics could collaborate to extend and edit the vocabulary. As well as the usual data entry facilities, this involved automating the written word animation and providing media resources to enable the addition of new words.

The resource's initial target audience was beginners, but its dynamic nature has enabled the scope to be extended beyond this group.

Although the website doesn't aim to provide a "Teach Yourself Biblical Hebrew" course, the vocabularies are available to a variety of audiences - the independent learner who has an interest in Hebrew, students with an interest in furthering their studies independently, teachers looking for resources, and academics who are interested in collaborating in this international project.

Veja mais:
Língua Hebraica


Israel Antiquities Authority (IAA)

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Manuscritos do Mar Morto são digitalizados: Polêmica deve aumentar depois que documentos de 2 mil anos chegarem à internet

O Globo, Ciência, Página 36, em 28/08/2008. Cientistas israelenses estão tirando fotografias digitais dos Manuscritos do Mar Morto com o propósito de que os documentos, de cerca de dois mil anos de idade, estejam disponíveis na internet. A Autoridade Israelense de Antigüidades, que tem sob custódia os textos que lançam luz sobre a vida dos judeus e dos primeiros cristãos, disse que serão necessários mais de dois anos para completar o projeto.

Os documentos — considerados alguns dos mais estudados e, ainda assim, controvertidos da História — foram encontrados em cavernas próximas ao Mar Morto, em 1947, por pastores beduínos e durante muitos anos só um reduzido número de estudiosos pôde vê-los. O acesso, entretanto, foi ampliado depois e os textos foram publicados na íntegra há sete anos. A chegada dos textos à internet poderá aumentar a polêmica, pois permitirá novas interpretações para pontos que hoje já são debatidos.

Usando câmaras de precisão e focos que não emitem calor, os cientistas israelenses puderam decifrar capítulos e caracteres invisíveis ao olho humano. Os manuscritos são as cópias mais antigas da Bíblia em hebraico e incluem textos apócrifos que remontam do século III a.C. até o primeiro século da era cristã. Os especialistas fotografaram cerca de nove mil fragmentos.

No total há 900 rolos, com 15 mil fragmentos. Como estão partidos, os textos permitem mais de uma interpretação.

Parte dos manuscritos está em exposição permanente no Museu de Israel. A coleção completa só havia sido fotografada uma vez, nos anos 50, com a ajuda de infravermelho. As imagens reveladas estão acomodadas em salas com temperatura controlada porque mostram detalhes que foram perdidos dos originais. Essas antigas fotos também serão escaneadas dentro do novo projeto. Os cientistas esperam que a tecnologia ajude também a preservar os manuscritos ao detectar qualquer dano causado por umidade e calor.

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Reconstruindo Jesus: pesquisadores revelam novas teorias sobre sua vida e seus mistérios





CSI: Jesus – Novas descobertas trazem à tona um homem simples, talvez analfabeto, difícil de ser rastreado e longe de se sentir uma entidade poderosa e onisciente. Como ficam as crenças cristãs diante desse Jesus Histórico?

Reinaldo José Lopes
(galileu@edglobo.com.br)

Páginas 42-55. - Ilustrações – Bibliografia.
Colaboração de pesquisadores e historiadores brasileiros, entre eles o Prof. Dr. André L. Chevitarese (UFRJ) e estrangeiros (Israel Knohl, Jon Dominic Crossan, John P.Meier).

Veja mais:
Jesus e as Tradições do Antigo Israel

domingo, 24 de agosto de 2008

New Testament among the Dead Sea Scrolls?

New Testament among the Dead Sea Scrolls?
From
The View from Jerusalem, em 24/08/2008.
Stephen Pfann has been interviewed about the Dead Sea Scrolls by CBN.

Origins of Early Writing Systems

Origins of Early Writing Systems
The Institute of Near Eastern Languages and Civilizations at Peking University was established in 2005 to foster research related to Western Asia among scholars at Peking University. It is the research home of leading Chinese scholars in Assyriology, Egyptology, Hittitology, Hebrew Bible and Jewish Studies, Islamic Studies and Persian Studies.

sábado, 23 de agosto de 2008

Criador e Criação: A natureza na mundividência do Antigo Israel

Criador e Criação: A natureza na mundividência do Antigo Israel
Autor:
Ronald A. Simkins
Editora: Vozes - 1ª edição (2004)
Sinopse: Diante da necessidade crescente de se repensar os modelos culturais básicos, em vista da crise ambiental existente hoje, o autor reexamina as visões que os estudos bíblicos têm da criação e apresenta os aspectos ecológicos encontrados e que são pertinentes ao ambientalismo de hoje.


quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Peroratio (blog)

Peroratio
Blog de Teologia, Filosofia, História, Política e Fenomenologia da Religião dos teólogos e amigos - Prof. Dr. Haroldo Reimer, Prof. Dr. Osvaldo Luiz Ribeiro e Prof. Drando. Jimmy Sudário Cabral.
Autores:
Haroldo Reimer
Jimmy Sudário Cabral
Osvaldo Luiz Ribeiro

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

The Messiah Son of Joseph. “Gabriel’s Revelation” and the Birth of a New Messianic Model. By Israel Knohl

Seguem dicas de Steven Feldman - Web Editor - Biblical Archaeology Review:

01)
Israel Knohl's article, "The Messiah Son of Joseph, 'Gabriel's Revelation' and the Birth of a New Messianic Model," on the BAR Web site;
02) Also on the site is a brief statement by Ada Yardeni in which she agrees with Knohl's controversial reading of line 80: "In three days, live."

BAR Features
The Messiah Son of Joseph

Web Extras
A New Dead Sea Scroll in Stone?
“Dead Sea Scroll in Stone”: Yardeni Agrees with Knohl’s Reading

Veja mais:
O livro de Knohl 'O Messias antes de Jesus'
Messiah and Resurrection
Uma inscrição situa antes de Jesus a tradição da ressurreição do Messias
Ressurreição a.C.: Inscrições em pedra falam de retorno de messias antes de Jesus
Texto em pedra fala de ressurreição do Messias décadas antes de Jesus

religion-online.org: Full texts by recognized religious scholars

More than 6,000 articles and chapters. Topics include Old and New Testament, Theology, Ethics, History and Sociology of Religion, Communication and Cultural Studies, Pastoral Care, Counseling, Homiletics, Worship, Missions and Religious Education. Click on a Category. Or Search Religion Online.
Dica Dr Jim West.

terça-feira, 19 de agosto de 2008

Second Temple Treasure Discovered In The Hills of Jerusalem

Israel News/Infolive, em 08/07/2008 - Deep inside of the hills of Jerusalem rests the Kibbutz of Ramat Rachel. Over the past 50 years many archaeologists have realized that hidden beneath this kibbutz are archaeological treasures beyond one’s imagination - the ruins of the palace of one of the king of Judah, along with relics from the Persian, Hellenistic and Roman era. At this site where space and time are mixed within the earth, another hidden treasure long buried underground has recently resurfaced. Just a few days ago, 15 silver coins dating from the Second Temple period were discovered inside of an ancient pot hidden in a columbarium.

Dica de Dr. Jim West.

Characterizing Esther from the Outset: The Contribution of the Story in Esther 2:1-20 (Jonathan Jacobs)

This article approaches the characterization of the heroine in Esther 2:1-20 from three perspectives: her status prior to her meeting with the king; her status after meeting with the king; and a literary analogy between her and Ahasuerus.

domingo, 17 de agosto de 2008

Moses outside the Torah and the Construction of A Diaspora Identity (Thomas Römer)

This article deals with how, in texts inside and outside the Torah, Moses became a figure of identification for the different Jewish Diasporas during the Persian Period The following themes are investigated: 1. The Shared Figure of Moses and the Pentateuch; 2. The death of Moses outside the land; 3. Moses, the magician; 4. Moses, the leprous; 5. Moses and the foreign women; 6. Moses, the warrior.

sábado, 16 de agosto de 2008

Templo romano do século II em Zipori, na Baixa Galiléia

Jornal Alef, Edição 1.208, em 15/08/2008 - Arqueólogos descobriram um templo romano do século II em Zipori, na Baixa Galiléia. Os restos estavam sob as ruínas de uma igreja bizantina e demonstram a convivência das comunidades judaica, pagã e cristã naquela cidade israelense. "É o único templo que encontramos por enquanto em Zipori e foi uma surpresa porque, sendo esta uma cidade judaica situada em uma região judaica, esperávamos encontrar sinagogas, mas não achamos ainda nenhuma dentro da cidade e sim este templo romano", explicou Ze'ev Weis, professor do Instituto de Arqueologia da Universidade Hebraica. Segundo ele, a descoberta é surpreendente porque demonstra que a comunidade romana nesta cidade era muito forte. "Esperamos em um futuro ter mais informação sobre o culto, encontrar alguma estátua ou algum resto que nos permita averiguar quais deuses veneravam aqui". Nesta mesma expedição, foram desenterradas moedas romanas da época de Antonio Pio, que mostram um templo destinado aos deuses Júpiter e Fortuna (Zeus e Tiche na mitologia grega).


Veja mais:



quinta-feira, 14 de agosto de 2008

O livro de Knohl 'O Messias antes de Jesus'

Em relação à inscrição judaica sobre a ressurreição do Messias, sugiro a leitura do material elaborado pelo Prof. Airton José da Silva em seu blog Observatório Bíblico, clique aqui.

Veja mais:

Three 9,000-Year-Old Skulls Found in Galilee

(IsraelNN.com) by Tzvi Ben Gedalyahu - 13/08/2008 - Archaeologists have discovered three 9,000-year-old skulls at the Yiftah'el dig in the Lower Galilee, the Israel Antiquities Authority announced Wednesday. Experts said the placement of the skulls confirms the worship of ancestors from during that time, practiced by displaying skulls inside houses.

The skulls were apparently placed on benches in a house where they would inspire the younger generation to continue in the ways of their forefathers. A similar custom was also identified in Syria, Turkey and Jordan.

The skulls are 8,000-9,000 years old and were buried in a pit adjacent to an excavated large public building. They were discovered during excavations for a new highway interchange at the Movil Junction, a major intersection.

"The skulls were found plastered – that is to say sculpted – which is a phenomenon that is identified with the New Stone Age," said site director Dr. Hamoudi Khalaily. "The practice included the reconstruction of all of the facial features of the deceased by means of sculpting the skull with a variety of materials such as plaster that was specifically intended for this. On the skulls that were found in the excavation the nose was entirely reconstructed."

The pit where the skulls were found showed depressions that probably were used for graves underneath floors.

Dr. Khalaily explained, "Some time thereafter, the residents would dig up the grave, retrieve the skull from the rest of the skeleton and recover the grave. Later they would then mold the skull in the image of the deceased and keep it inside the house. This custom is known in the scientific literature as 'ancestor worship.'"

The three molded skulls that were found at Yiftah’el join 15 other similar skulls that have been found to date.

Some Torah authorities explain that findings which are dated before the Jewish date of creation are remnants from worlds which G-d created and destroyed before this world.

Veja mais:
Crânios da Idade da Pedra descobertos na Galiléia

The Dead Sea Scrolls movie

The Dead Sea Scrolls movie
A 7 minutes movie about the discovery of the Dead Sea Scrolls

PALESTRA: Novas perspectivas de estudo de Misticismo: Cabala Cristã e Cabala Judaica (Prof. Moshe Idel)

PALESTRA: Novas perspectivas de estudo de Misticismo: Cabala Cristã e Cabala Judaica
Prof. Moshe Idel

Um dos maiores especialistas em estudos de cabala e da mística judaica. Ex-aluno de Gershom Scholem e Professor da Universidade Hebraica de Jerusalém.

Suas publicações incluem: Kabbalah: New Perspectives; Studies in Ecstatic Kabbalah; Language, Torah, and Hermeneutics in Abraham Abulafia; Hasidism: Between Ecstasy and Magic; Messianic Mystics; Absorbing Perfections: Kabbalah and Interpretation Mystical e Union in Judaism, Christianity, and Islam, entre outros.

Data e local:
26 de agosto de 2008, às 13:00h.
PUC-Rio – Rua Marquês de São Vicente, 225, sala F300
22453-100 - Gávea, RJ
Tel.:21-3527-1447
Fax: 21-3527-1446
http://www.letras.puc-rio.br/

Organização: Departamento de Letras da PUC-Rio
Apoio: Núcleo Interdisciplinar de Estudos Judaicos da UFRJ

terça-feira, 12 de agosto de 2008

Viagem a Jerusalém

Um painel fotográfico e fragmentos de várias sinagogas do período bizantino (70 d.C. - 640 d.C.) montados no Masp ajudam a entender como cristãos conviveram com os judeus na Terra Santa.

Com peças do Museu de Israel, mostra no Masp recria Terra Santa e reúne evidências arqueológicas que remetem a passagens bíblicas.

SILAS MARTÍ
DA REPORTAGEM LOCAL – Folha de São Paulo, Ilustrada, em 12/08/2008.

Ele não está lá, mas tudo serve para provar que ele esteve, de fato, entre nós. Em uma mostra candidata a "blockbuster", o Masp montou uma réplica da Terra Santa no subsolo. São cerca de cem peças do Museu de Israel, de Jerusalém, muitas delas evidências arqueológicas de momentos da era cristã narrados na Bíblia. Estão reunidas em uma exposição que será aberta amanhã para o público.

O período histórico coberto pela mostra, na verdade, vai bem além da vida de Cristo, passando por três momentos-chave da história de Israel e dos territórios palestinos, a chamada Terra Santa: o período israelita (1000 a.C. - 586 a.C.), o do segundo templo (538 a.C. - 70 d.C.) e o período romano ou bizantino (70 d.C. - 640 d.C.). Ao todo, são 16 séculos de história.

No primeiro momento, a mostra relembra o reinado de Davi, que começou em 1000 a.C. Uma pedra logo na entrada da exposição traz uma inscrição que menciona a dinastia que governou o reino de Judá.

Nesta ante-sala à parte mais conhecida da história, ficam objetos de culto popular, como ídolos da fertilidade, entre eles uma garrafa em forma de romã, além de capitéis e balaustradas de construções da época, com grande influência dos fenícios.

Um túnel montado no museu conduz os visitantes à sala que ilustra o chamado período do segundo templo, após a diáspora e o retorno dos judeus.

Um busto de Alexandre, com sua farta cabeleira e traços do período helênico, é o destaque desta sala. "Alexandre tentou unificar o reino com religião, filosofia, arte e administração", diz à Folha a curadora da exposição, Yael Israeli, do Museu de Israel. "Foi o início da construção da civilização ocidental."

Outros objetos ajudam a entender a rotina da época. Ossuários mostram o costume de enterrar os mortos e, num segundo sepultamento, recolher só os ossos em baús. A mostra tem ossuários de um Jesus, uma Maria e um José - não é, evidentemente, a família de Cristo, mas dá a entender que os nomes eram comuns no período retratado.

É no mesmo espaço que estão utensílios domésticos semelhantes aos que Jesus e seus apóstolos poderiam ter usado no episódio bíblico da Última Ceia. Logo ao lado, estão jarros de pedra que seriam do mesmo tipo usado por Jesus na transformação da água em vinho, narrada no Novo Testamento.

Faz-se alusão à crucificação de Cristo com evidências arqueológicas, entre elas o único indício tangível da existência de Pôncio Pilatos: uma pedra com uma inscrição que menciona Pilatos como o prefeito da Judéia. Foi ele quem presidiu o julgamento e condenou Jesus à morte na cruz.

Um osso de calcanhar atravessado por um prego, exposto ao lado da pedra de Pilatos, deixa claro que a crucificação era um método corrente de execução. Ainda assim, segundo o catálogo da mostra, esta é a única evidência arqueológica que prova que os executados eram, de fato, pregados na cruz.

Na última sala da exposição, a reconstituição de uma igreja cristã ao lado de fragmentos de uma sinagoga mostra que judeus e cristãos conviveram lado a lado por séculos.

Há grande semelhança, inclusive, entre igrejas e sinagogas. Nos relevos das construções judaicas, apenas substituíam a cruz por um menorá, o candelabro de sete braços dos judeus.

"Muitos dos objetos nas igrejas e sinagogas eram feitos pelo mesmo artesão", diz Israeli. "Era só dizer se queria uma cruz ou um candelabro."

16
séculos é o período histórico coberto pela mostra, dividida entre os períodos israelita (1000 a.C. a 586 a.C.), do segundo templo (538 a.C. a 70 d.C.) e bizantino (70 d.C. a 640 d.C.)

100
obras vieram do Museu de Israel, em Jerusalém, para o subsolo do Masp, onde uma espécie de réplica da Terra Santa foi erguida para a exposição que abre amanhã para o público

Comentário

Raridades surgem em seleção artificial

Objetos da mostra "Tesouros da Terra Santa" foram escolhidos por ajudarem a ilustrar relatos históricos conhecidos

RICARDO BONALUME NETO
DA REPORTAGEM LOCAL
– Folha de São Paulo, Ilustrada, em 12/08/2008.

Achados arqueológicos são fragmentos volúveis do passado, pois sua preservação depende muito do acaso. Materiais orgânicos, como ossos e madeira, são bem mais raros do que objetos resistentes à passagem do tempo e das estações climáticas, como cerâmica, mármore ou vidro. Mesmo esses materiais podem estar disponíveis apenas em pedaços que exigirão paciência e habilidade para serem remontados.

Isso ajuda a explicar o recorte feito na exposição "Tesouros da Terra Santa". A idéia original era mostrar apenas objetos da era de Jesus Cristo. No entanto, mesmo o mais importante museu israelense não teria objetos suficientes para uma mostra que não fosse limitada e repetitiva. Resta pouco da "cultura material" dos primórdios da era cristã.

Felizmente, o âmbito da exposição foi alargado para incluir um período mais extenso, o que permite ao visitante acompanhar tanto a evolução do judaísmo como sua convivência com a nova religião.

Objetos variados de culto religioso, da vida cotidiana e da administração do poder real e imperial mostram esse relacionamento complexo, mediado tanto por guerras como pelo cotidiano de comunidades dividindo o mesmo espaço.

Os objetos foram escolhidos por ajudarem a ilustrar relatos históricos conhecidos, estejam eles na bíblia judaico-cristã ou em textos como o do historiador judeu Flávio Josefo, que descreveu a destruição de Jerusalém pelos romanos no ano 70 d.C. Não chega a ser um problema grave da exposição, mas é preciso percorrê-la tendo isso em mente: trata-se de um conjunto de objetos agrupados de modo artificial. Em parte isso se deve por serem poucos e raros, mas principalmente porque se quer ilustrar uma história já conhecida.

Atrações
Há atrativos óbvios para o visitante interessado na vida de Jesus, como objetos de mesa que poderiam ter feito parte de uma "santa ceia". Mas são colocados fora do contexto arqueológico original e unidos agora de modo um tanto forçado para enfatizar a reverência religiosa.

Outro exemplo é um "meio shekel" de prata que cada homem adulto judeu deveria doar por ano ao templo. A moeda de prata foi colocada ao lado de exatas 128 outras de bronze, de modo a retratar o episódio bíblico em que Jesus se insurge contra os cambistas do templo.

Apesar dessa seleção artificial, alguns artefatos são ilustrativos por eles mesmos. É o caso de um menorá (candelabro de sete braços), objeto sagrado judaico, que inclui figuras de leões. Isso não seria permitido em tempos de religião mais estrita, mas serve para informar que naquele momento havia uma visão mais flexível do judaísmo e da convivência com os gentios (os não-judeus).

Outra boa justaposição de peças achadas em contextos distintos é particularmente representativa da convivência religiosa. São duas peças de mármore com decorações praticamente idênticas, com uma diferença básica - a que foi fabricada pelo artesão para a sinagoga tem um menorá no centro, enquanto a que foi entregue aos cristãos traz cruzes.

Veja mais:


segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Roman Temple Uncovered In Ancient Jewish Capital Of Galilee

View of the monumental building on the north side of the decumanus with a pile of collapsed columns in the courtyard -- probably the result of an earthquake. (Credit: Gaby Laron)

ScienceDaily (Aug. 11, 2008) — Ruins of a Roman temple from the second century CE have recently been unearthed in the Zippori National Park. Above the temple are foundations of a church from the Byzantine period.

The excavations, which were undertaken by the Noam Shudofsky Zippori Expedition led by of Prof. Zeev Weiss of the Institute of Archaeology at the Hebrew University of Jerusalem, shed light on the multi-cultural society of ancient Zippori (also known as Sepphoris).


The discovery indicated that Zippori, the Jewish capital of the Galilee during the Roman period, had a significant pagan population which built a temple in the heart of the city center. The central location of the temple which is positioned within a walled courtyard and its architectural relation to the surrounding buildings enhance our knowledge regarding the planning of Zippori in the Roman era.


The building of the church on the foundation of the temple testifies to the preservation of the sacred section of the city over time. This new finding demonstrates not only the religious life, culture and society in Roman and Byzantine Zippori, but also that this was a city in which Jews, pagans and later Christians lived together and developed their hometown with various buildings.


The newly discovered temple is located south of the decumanus - colonnaded street - which ran from east to west and was the main thoroughfare in the city during the Roman through Byzantine period. The temple, measuring approximately 24 by 12 meters, was built with a decorated façade facing the street. The temple’s walls were plundered in ancient times and only its foundations remain.


No evidence has been found that reveals the nature of the temple’s rituals, but some coins dating from the time of Antoninus Pius, minted in Diocaesarea (Zippori), depict a temple to the Roman gods Zeus and Tyche. The temple ceased to function at an unknown date, and a large church, the remains of which were uncovered by the Hebrew University excavation team in previous seasons, was built over it in the Byzantine period.


North of the decumanus, opposite the temple, a monumental building was partially excavated this summer. Its role is still unclear, although its nature and size indicate that it was an important building. A courtyard with a well-preserved stone pavement of smooth rectangular slabs executed in high quality was uncovered in the center of the building, upon which were found a pile of collapsed columns and capitals - probably as a result of an earthquake. The decoration on these architectural elements was executed in stucco. Beyond a row of columns, an adjacent aisle and additional rooms were discovered. Two of them were decorated with colorful, geometrical mosaics.

Adapted from materials provided by Hebrew University of Jerusalem, via AlphaGalileo.

Veja mais:


Arqueologia: Descoberto na Galiléia templo romano do século II d.C.

Jornal Expresso - Jerusalém, 11 Agosto de 2008 (Lusa) - Arqueólogos descobriram em Zipori, na Baixa Galileia, um templo romano do século II d.C. que prova o carácter multicultural desta cidade.

Os restos do templo encontram-se sob as ruínas de uma igreja bizantina e, segundo os investigadores, demonstram que as comunidades judia, pagã e cristã conviviam em Zipori.

"É o único templo que encontrámos até agora em Zipori e foi uma surpresa porque, sendo esta uma cidade judia situada numa região judia, esperávamos encontrar sinagogas, mas ainda não encontrámos nenhuma dentro da cidade e sim este templo romano", explicou Zeev Weis, director da escavação e professor do Instituto de Arqueologia da Universidade Hebraica.

Até agora, os arqueólogos tinham encontrado em Zipori alguns edifícios e casas romanas, mas a grande maioria pertencia à população judia, em maior número na cidade.

Este achado é surpreendente, segundo Weis, porque demonstra que a comunidade romana nesta cidade era muito forte.

"O templo e o seu pátio ocupam uma área muito grande no centro da cidade, é um espaço dominante", descreveu o investigador, que admitiu que a comunidade romana de Zipori pudesse ser maior do que se pensava até agora.

"Esperamos ter no futuro mais informação sobre o culto, encontrar alguma estátua ou algum vestígio que nos permitam averiguar que deuses veneravam aqui", acrescentou.

O templo recém-descoberto ocupava uma superfície de aproximadamente 24 metros por 12, tinha uma fachada decorada do lado da rua e encontrava-se ao sul do "decumanus", a rua com colunatas e principal via da cidade.

Nesta mesma expedição foram desenterradas, em anteriores escavações, moedas romanas da época de António Pio que mostram um templo aos deuses Júpiter e Fortuna (Zeus e Tiche na mitologia grega).

A cidade de Zipori situa-se num monte na Baixa Galileia, a metade do caminho entre o Mediterrâneo e o Mar da Galileia.

Fundada na era helenista, foi nomeada capital administrativa da Galileia pelo governador Gabínio, em meados do século I d.C., e, posteriormente, converteu-se no centro da vida religiosa judaica de Israel.

A cidade, um centro de estudo da Bíblia, foi destruída no ano 363 por um terramoto, mas, reconstruída pouco tempo depois, manteve-se durante séculos como centro social e espiritual da Galileia.

No período bizantino, a comunidade cristã de Zipori aumentou consideravelmente e no século VII d.C. a importância da cidade decaiu depois de ter sido conquistada pelos árabes.

Veja ainda:

Arqueólogos acham templo pagão romano sob igreja bizantina em Israel

Achado ocorreu em Zippori, capital judia da Galiléia durante o período romano. Local abrigava rituais de adoração a Zeus.

Da France Presse – Publicado no Portal G1, em 11/08/2008.

As ruínas de um templo pagão da época romana foram descobertas recentemente na Galiléia, indicou nesta segunda-feira (11) a universidade hebraica de Jerusalém, que supervisionou as buscas.

O templo foi descoberto no terreno de uma igreja bizantina muito importante cujos vestígios foram relembrados numa campanha anterior às escavações, no parque nacional de Zippori (norte), destacou a universidade em um comunicado.

"Esta descoberta mostra que em Zippori, capital judia da Galiléia durante o período romano, vivia uma população muito importante de pagãos", acrescentou o texto.

O templo em questão tem forma retangular, de 12m por 24m. A natureza dos rituais praticados neste lugar continua sendo uma incógnita, mas as peças encontradas na área evocam um lugar de culto dedicado a Zeus e a Tiche, divindade da prosperidade.

Esta campanha de escavações foi realizada sob a responsabilidade do professor Zeev Weiss, do Instituo da arqueologia da universidade hebraica.

domingo, 10 de agosto de 2008

Livro mostra busca de Isaac Newton por 'código da Bíblia' sobre o fim do mundo

Pai da física moderna realizou estudo detalhado do livro do profeta Daniel e do Apocalipse. Cientista relacionava profecias com história política e religiosa da Europa até sua época.

Reinaldo José Lopes
Do G1, em São Paulo, em 10/08/2008.

Um livro que acaba de chegar ao Brasil ajuda a revelar um lado surpreendente de Isaac Newton (1643-1727), pai da física moderna e responsável por formular a lei da gravidade, entre outras realizações científicas fundamentais. Nas horas vagas (ou, para ser mais exato, na maior parte do tempo durante sua maturidade), Newton se dedicava a um estudo detalhado, ponto por ponto, dos escritos atribuídos ao profeta Daniel e do Apocalipse, os dois livros bíblicos mais que mais versam sobre o fim do mundo. Para o cientista britânico, as duas obras eram guias precisos para a história do mundo até sua época e continham a chave para desvendar o que aconteceria no final dos tempos.

Os estudos apocalípticos de Newton estão na obra "As profecias do Apocalipse e o livro de Daniel" (Editora Pensamento), traduzida integralmente para o português pela primeira vez. As análises newtonianas coincidem apenas em parte com o que os modernos estudiosos da Bíblia consideram ser a interpretação mais provável das Escrituras. Mas não devem ser lidas como sinal de que o cientista tinha um lado "retrógrado" ou "obscurantista", alertam especialistas. Pelo contrário: é bastante possível que a fé religiosa de Newton, e seu interesse por assuntos esotéricos, tenham facilitado suas descobertas.

"A gente tem de inverter a relação. Não é apesar de suas crenças religiosas e místicas que o Newton consegue dar o pulo do gato nos trabalhos sobre a gravidade; é justamente devido a elas", afirma José Luiz Goldfarb, historiador da ciência e professor de pós-graduação da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). "Os próprios estudos bíblicos de Newton já denotam uma sensibilidade mais crítica e moderna, uma tentativa de estudar as profecias de forma quase matemática, usando cronologias detalhadas."

Pistas históricas
"A gente costuma deixar ciência e religião bem separadas, mas o fato é que os manuscritos de Newton, que chegam a 4.000 páginas, abordam principalmente esses estudos místicos e esotéricos", conta Mauro Condé, professor de história e filosofia da ciência da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). "Com a morte dele, a Universidade de Cambridge e a Royal Society [principal sociedade científica do Reino Unido, da qual ele fazia parte], que tinham um modelo para o que deveria ser o trabalho científico, privilegiaram parte da obra dele e deixaram o resto vir a público de forma meio aleatória", diz o pesquisador.

O livro em questão, publicado após a morte de Newton com base em suas anotações, é basicamente uma tentativa de desvendar o significado histórico das principais profecias do livro de Daniel (no Antigo Testamento) e do Apocalipse (livro do Novo Testamento que encerra a Bíblia cristã). Ambas as obras são caracterizadas pela riqueza de imagens simbólicas -- animais, estátuas, chifres, trombetas -- que funcionam como uma espécie de linguagem cifrada que o profeta propõe à sua audiência, e que às vezes é desvendada logo após a descrição das visões.

Newton, para quem Daniel "é um dos profetas mais claros para se interpretar", traça uma série de correspondências entre as imagens proféticas e eventos reais -- no seu esquema, por exemplo, menções a "dias" sempre se referem, na verdade, a anos, animais ferozes e poderosos correspondem a reis ou nobres, e assim por diante. Usando essa chave simbólica, o cientista se propõe a relacionar todas as grandes ocorrências da história mundial, do exílio judaico na Babilônia (a partir de 586 a.C.) à sua época, com as visões de Daniel e, em menor grau, com as de João, o autor do Apocalipse.

Romanos, bárbaros e papas
As duas principais visões do livro de Daniel se referem a uma estátua feita de vários tipos de metal precioso e não-precioso, e a uma sucessão de animais ferozes de aspecto sobrenatural. A interpretação tradicional (inclusive no interior do livro bíblico) é associar cada um dos metais e das feras a reinos que se sucederiam até o fim dos tempos, quando Deus salvaria seu povo e instauraria seu domínio sobre o mundo.

No caso da estátua, temos os metais ouro, prata, bronze, ferro e argila misturada com ferro; para Newton, a correspondência é com os impérios da Babilônia, da Pérsia, dos gregos de Alexandre Magno e de Roma; "ferro e argila" misturados significariam as nações européias oriundas do território fragmentado de Roma, fundadas a partir de reinos bárbaros. Um esquema semelhante é aplicado aos animais ferozes; Newton aproveita o fato de que um deles tem dez chifres para associá-lo aos dez reinos bárbaros europeus fundados após a queda de Roma.

Após esses dez chifres, surge mais um, "menor, e três dos primeiros foram arrancados para dar-lhe lugar. Este chifre tinha olhos idênticos aos olhos humanos e uma boca que proferia palavras arrogantes", diz o profeta. Newton afirma que esse chifre arrogante é a Igreja Católica, que havia se tornado um império ao adquirir vastas extensões de terra na Itália durante a Idade Média. O cientista traça a interpretação porque o livro de Daniel diz que o novo chifre "perseguia os santos".

Fortemente anticatólico, Newton associava a Igreja à promoção de práticas vistas por ele como demoníacas, como a adoração dos santos, bem como à perseguição dos verdadeiros cristãos. Para ele, a Igreja Católica também pode ser identificada com a Besta do Apocalipse, representada pelo número 666. Em seus cálculos, Newton dá a entender que o fim do mundo viria após a reconstrução do templo de Jerusalém, em torno do ano 2400 -- mas se abstém de apontar um ano específico.

Valeu a tentativa
Apesar do esforço interpretativo de Newton, poucos estudiosos atuais do texto bíblico vão concordar com sua análise. Para começar, enquanto o físico considerava que o livro de Daniel tinha sido escrito no século 6 a.C. pelo profeta do mesmo nome, o consenso moderno é que a obra é tardia, de meados do século 2 a.C. -- relatando, portanto, muitas coisas que já eram passado no tempo do profeta antes de se dedicar à profecia propriamente dita.

Assim, Roma e a época cristã nem seriam mencionadas em Daniel: o profeta estaria falando apenas dos reinos sucessores de Alexandre Magno que lutavam pelo controle da terra de Israel naquela época. "Seriam, portanto, profecias depois do fato", escreve Lawrence M. Wills, professor de estudos bíblicos da Episcopal Divinity School (Estados Unidos). De acordo com Wills, o chifre perseguidor dos "santos" representa, mais provavelmente, o rei sírio Antíoco Epífanes (morto em 164 a.C.), e não tem relação alguma com a Igreja Católica.

Tudo isso pode soar um bocado estranho para os que estão acostumados à separação moderna entre ciência e religião, mas José Luiz Goldfarb vê indícios dos interesses bíblicos de Newton na própria formulação da lei da gravidade. "No hebraico bíblico existe a palavra makom, que significa 'lugar'. Mas, com a evolução do pensamento rabiníco, ela passa a designar a própria divindade. O Newton cita essa palavra em seus escritos, e parece ter usado o conceito para explicar como a gravidade atuava à distância -- como a gravidade do Sol pode atrair a Terra, por exemplo. É como se entre o Sol e a Terra houvesse um makom, que é Deus, o qual está em todos os lugares", diz o pesquisador.

Goldfarb ressalta que Newton é só mais um exemplo de patrono da ciência que tinha suas idéias "fertilizadas" pelo pensamento místico de sua época. "Os dois campos se falavam e se influenciavam muito", diz. A crença monoteísta (num Deus único), se vista como um todo, também pode ter sido uma influência positiva nos primórdios da ciência e da filosofia, de acordo com Mauro Condé.

"O monoteísmo nos parece simples, mas já exige uma forma de pensamento mais sofisticada e abstrata", diz ele. "E a busca por essências da natureza, por leis ordenadas, é uma coisa que Newton compartilha com filósofos como Platão. Isso foi incorporado na teologia cristã desde o começo", afirma Condé.


Teaching the Biblical Hebrew Verb (Naama Zahavi-Ely)

Teaching the Biblical Hebrew Verb (Naama Zahavi-Ely)
I am a native speaker of contemporary Israeli Hebrew. I learned Biblical Hebrew by immersion: my Israeli secular school education exposed me repeatedly to the unmodified Masoretic Text, from the second grade through the twelfth. When I first started teaching Biblical Hebrew to American students, I thus knew the language—but I was not familiar with the methods of teaching it to non-native-speakers. >>> Leia mais, clique aqui.

Veja mais:

Morsels of Hebrew Grammar

Ética, Visões e Rock & Roll - A Mística Radical dos Profetas. Curso com o Rabino Nilton Bonder.


03, 10 e 17 de setembro

quartas-feiras - 19:30 H

Leblon Corporate

Rua Dias Ferreira, 190

Rio de Janeiro, RJ


O curso analisa o mais antigo e importante movimento místico do judaismo, que resultou no legado literário e ético dos profetas – os primeiros a postular uma visão comprometida com a conduta e a ampliação de estados de consciência.


Uma homenagem aos anos 60, em especial ao ano de 1968, que completa 40 anos e foi marcado pela influência que o modelo profético teve sobre o movimento hippie e da Nova Era.


Os profetas são a manifestação mística mais antiga e indígena de Israel. A mística deles se envolve de esoterismo, alucinações, ética radical e desleixo físico.


Qualquer semelhança com os fenômenos de transformação e rebeldia dos anos 60 não é mera coincidência.


Venha penetrar neste mundo de radical lucidez que, tal qual cometa, de tanto em tanto, revisita nossas consciências.

Diálogo inter-religioso: fraternidade judaico-cristã. Ano Paulino: Leituras Judaicas e Cristãs da Carta aos Romanos.

Veja mais:
Diálogo Inter-religioso: Mesa Fraternidade Judaico-Cristã

sábado, 9 de agosto de 2008

A linguagem do Antigo Testamento (Isaías Lobão Pereira Júnior)

A linguagem do Antigo Testamento
Em sua maior parte, o Antigo Testamento, foi escrito em hebraico. Porém, existem alguns poucos trechos em aramaico (Gênesis 31,47; Esdras 4,8 a 6,18, Jeremias 10,11; 7,12-26 e Daniel 2,4 a 7,8). O hebraico e o aramaico pertencem a uma família de línguas, que desde o fim do século XVII, convencionou-se designar de semita. Um nome que é derivado da passagem de Gênesis 10,22, onde foi registrado os nomes dos descendentes de Sem, filho de Noé. >>> Leia mais, clique aqui.

Projeto Bíblia Manuscrita estará na ExpoCatólica. Sociedade Bíblica do Brasil (SBB) comemora 60 anos com novo projeto.

ExpoCatólica News - Considerada um dos maiores tesouros da humanidade, a Bíblia chegou até os nossos dias graças à atuação de pessoas muito especiais: os copistas. Através dos séculos, as Sagradas Escrituras foram preservadas e transmitidas por meio de cópias manuscritas, assegurando que a Palavra de Deus acompanhasse a humanidade em todos os momentos, antes da invenção da imprensa. Relembrar esta prática foi a forma encontrada pela Sociedade Bíblica do Brasil (SBB) para comemorar seus 60 anos de existência, com o Projeto da Bíblia Manuscrita.

O projeto da Bíblia Manuscrita prevê a instalação de um scriptorium – como eram conhecidos os recintos onde os copistas atuavam no período medieval – em várias cidades do país e está inserido nas celebrações do Ano da Bíblia, que visa colocar o Livro Sagrado em evidência durante todo ano de 2008.

A expectativa é mobilizar 900 mil pessoas, transcrever uma Bíblia por estado brasileiro e ter dois exemplares copiados pela população de todas as regiões do país, totalizando 29 exemplares completos, escritos manualmente, no período de junho a setembro.

Inauguração da Exposição “Tesouros da Terra Santa – do Rei David ao Cristianismo”

Veja mais:
Uma viagem de mil anos pela Terra Santa

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Observações sobre o hebraico bíblico (George Steiner)

STEINER, George. A Bíblia Hebraica e a divisão entre judeus e cristãos. Lisboa: Relógio D´Água, 2006. p.32-34.

p.32. O hebraico pertence ao ramo cananeu da família de lín­guas semitas do Noroeste. Escreve-se da direita para a es­querda e consistia, originalmente, em vinte e duas letras que indicavam apenas consoantes. A designação de vogais pela junção de pontos a estas consoantes deu-se muito mais tarde. Evoluiu muito gradualmente entre os séculos V e X d.C. As actuais convenções de vocalização representam, por conseguinte, formas de pronúncia que remontam, por alto, a um milhar de anos após a era bíblica. Fora da própria Bíblia, o hebraico clássico antigo sobrevive em algumas inscrições, nenhuma das quais é anterior ao século X a. C.

p.33. A origem consonântica de toda a escrita hebraica - inú­meras palavras desenvolvem-se a partir de um radical de três consoantes - é crucial. Permite, ou melhor, torna ine­vitável, uma pluralidade e riqueza polissémica de leituras possíveis, provavelmente sem par em qualquer outra língua escrita. O mesmo aglomerado consonântico pode, com vo­calizações diferentes, ser interpretado com sentidos com­pletamente diferentes. A omissão de marcadores de vogais origina uma multiplicidade inerente de significados putati­vos, de equívocos implícitos e de jogos de palavras dentro da unidade consonântica idêntica. Uma palavra bíblica pal­pita, por assim dizer, dentro de uma aura de significados e ecos concêntricos.

O hebraico possui apenas dois «tempos» verbais (sendo «tempos», em si mesma, uma designação enganadora). As acções ou estão terminadas («perfeito») ou não terminadas («imperfeito»). Os modos simples, passivo, reflexivo, in­tensivo e causativo são interpretados através de formas di­ferentes do verbo. Uma vez mais, esta particularidade sin­táctica ocasiona consequências de natureza hermenêutica importantes. O «mundo do tempo», as anotações da tempo­ralidade na narrativa do Antigo Testamento, não se tradu­zem imediatamente no paradigma passado-presente-futuro do inglês ou de outras línguas europeias modernas. Este simples facto torna quase inacessível a dinâmica interna da profecia e da memória hebraicas. A profecia não se projec­ta, em qualquer sentido óbvio, no futuro, como acontece, por exemplo, nos oráculos gregos ou nas predições cris­tiano-helénicas. Os tempos oportunos das revelações de Deus por intermédio dos seus profetas são eternos. Num certo sentido, a profecia já se cumpriu, uma vez que é feita no «perfeito» na palavra divina. Noutro sentido, está eternamente presente. 0 que arde com a ira ou com a benção de Deus é o «agora». Num terceiro e completamente intradu­zível sentido, a profecia também toca no «imperfeito», no ainda inacabado e portanto revogável (Jonas depende do paradoxo gramatológico de uma «imperfeição» alojada, por assim dizer, no eterno absoluto da determinação e sentença inicial de Deus).

p.34. Há, evidentemente, afinidades linguísticas entre o he­braico antigo e línguas tão próximas dele como o fenício, e, certamente, o úgrico. Elementos do úgrico, do cananeu e do aramaico podem ser localizados nos textos bíblicos. Todas as línguas faladas pelos homens e pelas mulheres têm as suas singularidades. Contudo, é justo que se diga que o con­ceito tradicional de hebraico bíblico como língua adâmica, como a primeira entre as línguas humanas, como sendo marcada unicamente pela semântica do modo como Deus a usa, reflecte, embora de maneira mítico-antropomórfica, uma intuição compreensível de «algo à parte». O hebraico do Antigo Testamento não se parece com nenhuma cons­trução verbal-gramatical-semântica de que tenhamos co­nhecimento directo. A Lei, no fundo, é, em muitos aspectos, uma «lei em relação a si própria». A um nível manifesta­mente mais elevado, mais causador de danos do que o de qualquer outro corpus de linguagem, incluindo a poesia e a filosofia mais remotas e mais difíceis, as traduções do he­breu bíblico são interpretações erradas. Mesmo nas mãos de ouvintes e de artesãos da palavra tão geniais como Tyndale ou Lutero.