Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

sábado, 13 de maio de 2017

Shavuot 2017


Shavuot

30 de Maio de 2017
1 de Junho de 2017

Trabalho não é permitido

A festa de Shavuot, comemorada na Diáspora no sexto e sétimo dia do mês hebraico de Sivan, é a data na qual celebramos Matan Torá – a Entrega da Torá. É importante notar, contudo, que a transmissão da Torá não ocorreu em um único dia – mas sim, o Todo Poderoso a transmitiu a Moshé, que a ensinou ao Povo Judeu durante os 40 anos de sua permanência no Deserto do Sinai.

Veja mais:

sexta-feira, 31 de março de 2017

Pêssach 2017/5777

Pêssach 2017/5777

Pessach este ano [2017/5777] começa na noite de 10/04 (segunda-feira) e termina em 18/04 (terça-feira).





Veja mais:

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Tu Bishvat 2017 / 5777



Neste ano, Tu Bishvat se comemora na noite de 10/02/2017 (sexta-feira) até o fim do dia 11/02/2017. Trabalho é permitido.

Veja mais:
Estudos Bíblicos: Tu Bishvat 2016 / 5776
Beit Chabad Central: Tu Bishvat
Beit Chabad Central: Tu B’Shevat: O Quê e Como
Beit Chabad Central: Tu Bishvat: Nós = Árvore
Beit Chabad Central: O Sêder de Tu Bishvat
Revista Morashá: Tu Bishvat
Revista Morashá: TU BISHVAT. Por que nossa tradição judaica conservou no nosso calendário a festa de Tu Bishvat, também designada por “Rosh Hashaná das árvores”? Nossos mestres nos respondem que o que faz a importância desta data é sobretudo o exemplo que a árvore nos inspira.

domingo, 22 de janeiro de 2017

O processo de canonização da Bíblia Hebraica: sua história, critérios e consequências

André Galvão Soares
Dissertação de mestrado na área de Estudos Judaicos (USP)
Data da defesa: 12/08/2016
Orientador: Reginaldo Gomes de Araújo
Resumo: O presente trabalho pretende traçar o percurso diacrônico da formação e da fixação do cânon da Bíblia Hebraica, dando especial atenção às teorias e hipóteses que, no passado, foram aventadas e, modernamente, rechaçadas e substituídas por outras. A hipótese tradicional acerca da formação do cânon da Bíblia Hebraica de acordo com a qual três estágios diferentes poderiam ser destacados ao longo do processo que culminou na formação da antologia sagrada dos judeus, de forma que cada um deles equivaleria ao momento de canonização de uma das três seções em que se divide a Bíblia Hebraica (Lei, Profetas e Escritos) será apresentada, assim como as críticas modernas que diversos pesquisadores têm dirigido contra ela, propondo novas formas de entendermos a gênese do cânon bíblico. Esta dissertação trata, pois, dos escritos que viriam a compor o corpo canônico de textos que ficaria conhecido, na tradição judaica, como Tanakh ou, na cristã, como Antigo (Primeiro) Testamento. Não faz parte de nosso escopo o estudo de outros cânones sagrados, mesmo aqueles que, de maneira evidente, tenham se originado a partir do cânon judaico. O processo através do qual certos livros, em detrimento de outros, foram incorporados à compilação de escritos sagrados será evidenciado, e a existência de variações entre os cânones de diferentes grupos religiosos não será discutida, embora a sua menção seja necessária. Dado o crescente desenvolvimento dos estudos bíblicos, faz-se necessário que, de maneira semelhante, os estudos de base adolesçam, isto é, que também se desenvolvam os metaestudos da Bíblia, cujo objetivo precípuo não é lê-la ou interpretá-la, mas se debruçar sobre a sua forma final e explicitar os processos e os mecanismos que a fizeram ter a configuração com que chegou a nós. Por fim, as consequências hermenêuticas advindas do fechamento do cânon da Bíblia Hebraica serão apresentadas. >>> Texto completo clique aqui >>>  2016_AndreGalvaoSoares_VOrig.pdf 


sábado, 7 de janeiro de 2017

Os ditos de Jesus e os escritos rabínicos

USP - Cadernos de Língua e Literatura Hebraica, n. 14 – (2016)
Reginaldo Gomes de Araújo

Resumo: O objetivo deste estudo é analisar e comparar algumas palavras e expressões dos ditos de Jesus transmitidos pelos Sinóticos, especialmente por Mateus, para podermos afirmar que as palavras de Jesus transmitidas pelos Sinóticos apresentam aspectos semíticos, sem nos preocuparmos com o idioma que ele falava. Essa coloração pode ser mais bem definida quando comparamos os ditos de Jesus com os escritos rabínicos (Talmudim, Mishnaiot, Midrashim etc.). Neste estudo comparativo, pode-se constatar claramente que os ditos de Jesus apresentados pelos Evangelhos Sinóticos faziam parte da tradição judaica, como bem testificam alguns escritos rabínicos aqui analisados. >>> Texto completo, clique aqui.