Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado II - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

quarta-feira, 30 de abril de 2008

Articles on Mary Douglas and the Hebrew Bible and new reviews in JHS

The Journal of Hebrew Scriptures (http://www.jhsonline.org) has recently published a set of articles on Mary Douglas and the Hebrew Bible.


1) The articles included are:
Journal of Hebrew Scriptures - Volume 8: Article 7 (2008)
Ronald Hendel and Saul M. Olyan
Beyond Purity and Danger: Mary Douglas and The Hebrew Bible

Abstract
An introduction to the following five articles that engage DouglasâEURO(tm)s studies of the Hebrew Bible from a variety of perspectives and on a variety of topics.

Those who wish to access this article directly may go to
http://www.arts.ualberta.ca/JHS/Articles/article_84.pdf


2) Journal of Hebrew Scriptures - Volume 8: Article 8 (2008)

Ronald Hendel
Mary Douglas and Anthropological Modernism
Abstract

Mary DouglasâEURO(tm)s scholarship has been described as âEUROOEa classic expression of British anthropological modernism.âEURO In this essay I explore the significance of her work within the larger intellectual horizons of modernism and within the Durkheimian tradition in anthropology. I then situate her work on the Hebrew Bible within this larger perspective, using her analysis of the abominable pig as an exemplary instance.

Those who wish to access this article directly may go to
http://www.arts.ualberta.ca/JHS/Articles/article_85.pdf

3) Journal of Hebrew Scriptures - Volume 8: Article 9 (2008)

Alfred Marx
The Relationship between the Sacrificial Laws and the Other Laws in Leviticus 19
Abstract
The present paper addresses the question of the surprising presence in Leviticus 19 of two sacrificial regulations among mainly moral commandments. It attempts to show that far from being out of place these laws sum up the ethic imposed on Israelites in two main principles: the principle of restraint when dealing with fellow countrymen and the principle of absence of all contact with spiritual beings other than God.

Those who wish to access this article directly may go to
http://www.arts.ualberta.ca/JHS/Articles/article_86.pdf


4) Journal of Hebrew Scriptures - Volume 8: Article 10 (2008)

Saul M. Olyan
Mary DouglasâEURO(tm)s Holiness/Wholeness Paradigm: Its Potential for Insight and its Limitations
Abstract

The strengths and weaknesses of Mary DouglasâEURO(tm)s holiness/wholeness paradigm, in which she links the idea of holiness directly to physical wholeness, are critically assessed in this article. Several examples of fruitful elaboration of the paradigm by biblical scholars are considered in some detail. In addition, the author suggests some ways in which the paradigm might be modified in order to explain better the biblical data concerning physical wholeness.

Those who wish to access this article directly may go to
http://www.arts.ualberta.ca/JHS/Articles/article_87.pdf


5) Journal of Hebrew Scriptures - Volume 8: Article 11 (2008)

RÃ1/4 diger Schmitt
The Problem of Magic and Monotheism in the Book of Leviticus
Abstract
To be added
Those who wish to access this article directly may go to

http://www.arts.ualberta.ca/JHS/Articles/article_88.pdf

6) Journal of Hebrew Scriptures - Volume 8: Article 12 (2008)

David P. Wright
Deciphering a Definition: The Syntagmatic Structural Analysis of Ritual in the Hebrew Bible
Abstract

This article argues that any action performed by an individual or group can only be properly understood in the context of the larger range of similar activity performed by the individual or group. It builds on Mary Douglas's syntagmatic structural analysis of action within such a broad context and moves to Catherine Bell's similar contextualization of ritualization within a larger framework of action. This type of analysis allows for formulating a clearer definition of ritual and a more precise identification of the strategies employed to create ritual. It also provides a method for the study of ritual, in which any given performance may be evaluated by its relationship to other similar actions, including non-ritual actions. As an example, the paper looks at the story of the feast held by Joseph for his brothers in Genesis 43 and suggests how this may be used for elucidating the understanding of biblical sacrifice.

Those who wish to access this article directly may go to
http://www.arts.ualberta.ca/JHS/Articles/article_89.pdf

In addition, the following reviews have been recently published:

Carmichael, Calum, Illuminating Leviticus: A Study of Its Laws and Institutions in the Light of Biblical Narratives (Baltimore: The Johns Hopkins University Press, 2006). (Reviewed by William Gilders)

Garbini, Giovanni, Myth and History in the Bible (Journal for the Old Testament, Supplement Series 362; London/New York: Sheffield Academic Press, 2003). (Reviewed by David Bergen)

Ijezie, Luke Emehiele, The Interpretation of the Hebrew Word ×¢× (People) in Samuel-Kings (European University Studies, Series XXIII Theology, 830; Bern: Peter Lang, 2007). (Reviewed by Garrett Galvin)

Knowles, Melody D., Centrality Practiced: Jerusalem in the Religious Practice of Yehud and the Diaspora in the Persian Period (SBL Archaeology and Biblical Studies, 16; Atlanta: Society of Biblical Literature, 2006). (Reviewed by Jeremiah Cataldo)

Malessa, Michael, Untersuchungen zur verbalen Valenz im biblischen Hebräisch (Studia semitica neerlandica, 49; Assen: van Gorcum, 2006). (Reviewed by Richard Benton)

Watts, James W., Ritual and Rhetoric in Leviticus: From Sacrifice to Scripture (Cambridge: Cambridge University Press, 2007). (Reviewed by Bernon P. Lee)

To access the reviews directly please go to
http://www.arts.ualberta.ca/JHS/reviews/reviews_vol.html


----

For information on the printed publication of volume 6 (2006) of the Journal by Gorgias Press,
please go to
https://www.gorgiaspress.com/bookshop/pc-56106-56-ben-zvi-ehud-perspectives-on-hebrew-scriptures-iii.aspx


For information on volume 5 (2004-2005) please go to
https://www.gorgiaspress.com/bookshop/p-55864-ben-zvi-ehud-perspectives-on-hebrew-scriptures-ii.aspx


For information on the publication of vols 1-4, please go to
https://www.gorgiaspress.com/bookshop/p-55607-ben-zvi-ehud-perspectives-on-hebrew-scriptures-i.aspx


Volume 7 (2007) is expected to be published later this year.

terça-feira, 29 de abril de 2008

Sanedrin

Aula Sanedrin
(em hebraico)

Gvulot Haaretz

Gvulot Haaretz
(Mapas do Tanach em hebraico)

Is the Literary Approach to the Bible a New Paradigm?

Is the Literary Approach to the Bible a New Paradigm?
Fokkelman, Jan P. - 16 páginas

Ancient Hebrew Text to Return to Israel

By REGAN E. DOHERTY – Nov 8, 2007 - JERUSALEM (AP) — For six decades, Sam Sabbagh carried a good luck charm — a parchment he found on the floor of a burned synagogue.

Turns out that parchment likely is more than 1,000 years old, a fragment of the most authoritative manuscript of the Hebrew Bible. His family plans to present it to a Jerusalem institute next week, officials said Thursday.

The parchment, about "the size of a credit card," is believed to be part of the Aleppo Codex manuscript of the Hebrew Bible, said Michael Glatzer, academic secretary of the Yad Ben Zvi institute.

It contains verses from the Book of Exodus describing the plagues in Egypt, including the words of Moses to Pharaoh, "Let my people go, that they may serve me."

In 1947, Sabbagh, then 17, picked up a piece of the manuscript off the floor of a synagogue in Aleppo, Syria. The synagogue had been burned the previous day in riots after the United Nations decided to partition Palestine, a step toward creating the Jewish state of Israel.

When Sabbagh later immigrated to Brooklyn, he carried the parchment around for years in a plastic pouch in his wallet, Glatzer said. Sabbagh used it as a good luck charm, even bringing it with him when he underwent open heart surgery.

About 20 years ago, a Jewish studies institute in Jerusalem named after Israel's second president, Yad Ben Zvi, learned of the fragment's existence. But it was unable to persuade Sabbagh to part with it.

After he died two years ago, his family decided to donate it to the institute.

The recovery "is important in the sense that we are getting the chance to unify the missing parts and put them in their original place," said Michael Maggen, who as head of paper conservation at the Israel Museum will oversee restoring the document.

The codex "is not just another manuscript — it's a landmark," Maggen said, mainly because it provides insights into key aspects of Hebrew grammar and pronunciation.

Portions of the codex that have already been retrieved are on display in the Shrine of the Book at the Israel Museum in Jerusalem. The Sabbagh fragment would eventually join its counterparts there, Glatzer said.

Glatzer hopes that the parchment's recovery will encourage others to check their safety deposit boxes and attics for similar treasures.

"What (Sabbagh) did, others must have done," he said.

The codex, also known as the Masoretic Text, was written in Tiberias, next to the Sea of Galilee, in the 10th century and later brought to Jerusalem.

It then traveled to Cairo, after which, according to tradition, Moses Maimonides' grandson brought it to Syria. The elder Maimonides was a 12th-century Jewish scholar whose writings and rulings are still followed and studied.

"We have only about 60 percent of the codex — more than a third is still missing," said Aron Dotan, professor of Hebrew and Semitic languages at Tel Aviv University. The missing part includes most of the Torah, or Pentateuch, he said. The codex comprised the books of the Old Testament.

Although only a tiny scrap, the find is still noteworthy, he said.

"Every find is something, every new piece is something," he said. "It is an addition to what we have."

segunda-feira, 28 de abril de 2008

Information on the Web for the student of the Hebrew Bible

Scholarly societies

Tools for the study of the Bible and the ancient Near East

Online Journals

Biblical Hebrew

Ancient Near Eastern Texts

Ancient Versions

Tools for Jewish Studies

Resources for Books and Software

domingo, 27 de abril de 2008

História de Israel no Antigo Oriente Médio

História de Israel no Antigo Oriente Médio
Blog do Núcleo de Pesquisa sobre a História de Israel no Antigo Oriente Médio, coordenado por Júlio Paulo Tavares Zabatiero, da Escola Superior de Teologia (São Leopoldo-RS)

A teologia e o direito dos pobres ( Entrevista com Milton Schwantes)

Milton Schwantes é teólogo e pastor da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB). Biblista, Schwantes é um dos principais nomes do método de leitura popular da Bíblia na América Latina e autor de diversos livros, alguns traduzidos em espanhol, alemão e inglês. >>> Veja mais em Amai-vos – Inter-religiões.

Oriental Institute Research Archives (Universidade de Chicago)

Oriental Institute Research Archives (Universidade de Chicago)
Guia de sites (periódicos, bibliotecas, museus, arqueologia, mapas, atlas, editoras) especializados em estudos do Oriente Médio Antigo.

Eurocentrismo e racismo nos clássicos da filosofia e das ciências sociais (Walter Praxedes)

Realizar uma pesquisa para encontrar aspectos eurocêntricos e racistas nas obras dos mais reconhecidos pensadores considerados clássicos chega a ser uma tarefa simples. O problema é que geralmente esta não é uma preocupação dos estudiosos e dos professores universitários. Em conseqüência, nos cursos de licenciatura e de bacharelado para a formação de novos professores e pesquisadores, os acadêmicos passam anos estudando os autores para aprender a contribuição original de cada um para o conhecimento "universal", atribuindo possíveis deslizes etnocêntricos como próprios do contexto intelectual de produção das obras. >>> Veja mais em, Revista Espaço Acadêmico, número 83, emnsal, abril de 2008.

sexta-feira, 25 de abril de 2008

Hermenêutica bíblica e exemplaridade no Orto do Esposo

Hermenêutica bíblica e exemplaridade no Orto do Esposo
Autor:
Antônio Marcos Gonçalves Pimentel
Dissertação de mestrado em Letras (UFF)
Data da defesa:
06/02/2007.
Resumo: Por volta de 1385, no mosteiro português de Alcobaça, produziu-se o manuscrito de autoria anônima intitulado Orto do Esposo. Construída nos moldes literários da exemplaridade legitimada pela figura medieval da auctoritas, a obra tem como fulcro a hermenêutica bíblica dos quatro sentidos – o sentido histórico-literal; o sentido alegórico; o sentido tropológico; e o sentido escatológico –, sua operacionalização e demonstração, dividindo-se em quatro partes ou livros, cada qual contendo uma temática própria através da qual é trabalhada a hermenêutica: do nome de Jesus; da comparação das Escrituras com o Paraíso Terreal; da maneira correta de se ler a Bíblia; e da ascese mística em que deve se pautar a vida do cristão à época. Esta dissertação pretende investigar as condições de produção sob as quais foi composto o manuscrito alcobacense, considerando seus aspectos internos e externos, construindo assim um grande quadro sócio-político-cultural-religioso que emoldura o texto e o escopo do Orto do Esposo. Também serão investigadas as principais características da hermenêutica bíblica, da exemplaridade, suas origens e funções, e conceitos afins como alegoria, exegese, prefiguração testamentária, aspectos da mentalidade medieval portuguesa trecentista entre outros. Além disso, serão consideradas também a questão de uma marca de autoria frente à sua dissolução enquanto obra subjetiva, influências externas, fontes bibliográficas e a motivação pela qual se escreveu o Orto do Esposo.

Mapas e Fotos para Estudos Bíblicos

O Prof. Airton José da Silva comenta sobre a coleção de links para mapas e fotos úteis para os estudos bíblicos: Mapas interativos e Google Earth - Mapas tradicionais e em PowerPoint - Fotos da região e de sítios arqueológicos. No Tyndale Tech, por David Instone-Brewer - Tyndale House, Cambridge, Reino Unido.

Interactive maps & GoogleEarth - Traditional maps & powerpoint maps - Photos of places & archaeology. By David Instone-Brewer, Tyndale House, Cambridge, UK.

Mais Mapas:
Geografia do Antigo Oriente Médio

Chamada de artigos: Revista Horizonte: Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião (PUC-MG)

CHAMADA PARA PUBLICAÇÃO DE TRABALHOS 2008

Revista Horizonte, publicação semestral da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas), com o objetivo de veicular trabalhos científicos que contribuam para o avanço da pesquisa, especialmente, nas áreas das Ciências da Religião e da Teologia, a formação acadêmica crítica e integral, aberta ao diálogo, à perspectiva interdisciplinar e à pluralidade de idéias, faz sua CHAMADA PARA PUBLICAÇÃO em 2008.

Horizonte publica trabalhos na forma de artigos, comunicações, resenhas e notas bibliográficas, traduções, entrevistas, estudo de casos e resumos de dissertações e teses. A revista é bilíngüe e publica textos inéditos em português e espanhol. Trabalhos em outras línguas, se forem aceitos, serão traduzidos para o português.

Os trabalhos serão selecionados a partir de sua originalidade, relevância e qualidade metodológica e científica e de sua adequação às normas da ABNT e da Editora da PUC Minas. O teor de conteúdo e a exatidão das citações são de inteira responsabilidade dos autores.

Horizonte encontra-se indexada no IBICT-CCN, HELA, CLASE, ICAP, SUMÁRIOS e LATINDEX.

Suas edições são publicadas em papel e também se encontram on line no site da PUC-Minas, no link Editora/Publicações eletrônicas.

CHAMADAS PARA TRABALHOS NOS PRÓXIMOS NÚMEROS

  • Vol. 6, n. 12 – 1º sem. 2008. Prazo de entrega: até o dia 15 de junho de 2008.
  • Vol. 7, n. 13 – 2º sem. 2008. Prazo de entrega: até o dia 31 de outubro de 2008.

quarta-feira, 23 de abril de 2008

Revista Analecta Biblica - versão on-line

Published since 1920 by the Pontifical Biblical Institute in Rome, Biblica is a research journal and appears four times a year. It is dedicated to biblical studies on the Old and New Testament, and intertestamentary literature, and covers fields of reseach, such as exegesis, philology, and history.

In collaboration with Biblical Studies on the Web Project

General Index


Gil Vicente: A Intertextualidade Bíblica

Gil Vicente: A Intertextualidade Bíblica

Assim a Bíblia é uma fonte importante de novos estudos, além de constituir o alicerce dos textos do dramaturgo português. È o contexto bíblico e sua ...


A ressurreição das religiões

por Henrique Rattner

Como explicar o ressurgimento das religiões e seus impactos na vida social e política neste início de século XXI, após e apesar dos séculos da Razão e do Iluminismo, os avanços das ciências físicas e biológicas, inclusive o evolucionismo de Darwin? Pode se alegar que as ciências não conseguiram explicar satisfatoriamente as origens o destino dos homens. Mas, apesar do aparente fracasso das ciências, também as religiões em suas mais diversas denominações, não conseguiram responder satisfatoriamente às questões existenciais, recorrendo todas elas à figura de um Deus onisciente e onipresente cuja existência dispensaria a comprovação empírica. Tanto George W. Bush quanto o papa Bento XVI falam da indiscutível necessidade de um "intelligent design" – concepção inteligente –, um conceito abstrato que não figura na percepção, cognição e interpretação do mundo dos bilhões de crentes de todas as religiões.

Se nas regiões menos desenvolvidas o fervor religioso ressurgiu como componente poderoso do despertar nacionalista e na luta contra o colonizador, o que dizer do renascimento das crenças religiosas no ocidente e sua expansão em progressão logarítmica, apesar da educação universal, pública e gratuita? Os pensadores iluministas pensaram que a modernidade – uma combinação de ciência, educação e democracia – acabaria com a necessidade da religião. É exatamente nos Estados Unidos, no Brasil e em outros países latino-americanos e até nos países escandinavos que a expansão das variantes evangélicas têm mais progredido em seu recrutamento de fiéis e a instalação de novas igrejas e templos não pára de crescer. Estima-se que o número de evangélicos no mundo alcançou o número de 500 milhões e os movimentos de massas geralmente intolerantes e agressivos contra os "infiéis" estão presentes no Islã, entre os pentecostais evangélicos, em grau menor entre os católicos (vide a "Opus Dei") e entre as várias seitas de judeus as quais, desde conservadores até ultra-ortodoxos, se digladiam pelo "direito" de ser os verdadeiros representantes da vontade divina. Missionários de todas essas religiões percorrem o mundo, dispondo de recursos financeiros não desprezíveis e criam escolas nas quais transmitem e interpretam os ensinamentos de seus livros sagrados, exigindo a estrita observância dos preceitos e dos mandamentos divinos, sejam eles os "mulás" e "aiatolás" muçulmanos; os reverendos, bispos ou apóstolos evangélicos ou os rabinos lideres de certas seitas. O ato de cantar e rezar em conjunto por parte de milhares de correligionários tem efeitos profundos sobre a psicologia dos crentes, reforçando sua fé e confiança no poder sobrenatural e dando aos indivíduos o sentimento de pertencer a algo maior do que eles próprios.

A reação esboçada pelos defensores do pensamento racional e científico não chega ao alcance das massas, mesmo nos países desenvolvidos – onde poucos teriam lido o livro de Richard Dawkins, "The God Delusion" (A Ilusão de Deus) ou de Christopher Hitchens, "God is not Great – How Religion Poisons Everything" (Deus não é grande – como a religião envenena tudo).

Não é somente pelo fracasso da ciência em proporcionar respostas plausíveis às indagações e ansiedades existenciais que podemos explicar o retorno à fé religiosa. Nas inseguranças e incertezas do mundo atual, prenhe de crises econômicas, políticas e culturais, os indivíduos se sentem perdidos, desamparados e confusos, tendo perdido a confiança nos governos, nos partidos políticos e suas ideologias. O pensamento neoliberal, que exacerba o individualismo, a competição e o sucesso material e monetário como alvos supremos na luta existencial, ignora a necessidade do ser humano de ter um convívio harmonioso e solidário com os outros, sejam eles vizinhos, companheiros no trabalho ou cidadãos da mesma comunidade. A História humana é repleta de perseguições, lutas e guerras entre fiéis de diferentes religiões, também nos países hoje considerados desenvolvidos. As várias Cruzadas; as invasões mouras da Península Ibérica; guerras religiosas na Europa Central até meados do século XVI; a expulsão sangrenta dos Huguenotes da França no século XVIII; o conflito armado entre católicos e protestantes na Irlanda; as guerras contra minorias étnicas e religiosas no Ruanda, Nigéria, Sri Lanka, Chechênia, Afeganistão, Iraque e na Terra Santa entre israelenses e palestinos carregam um forte conteúdo religioso como justificativa da violência contra os "infiéis".

A tendência mundial para reintroduzir a religião ou o apoio divino nas relações entre os povos, culturas e sistemas políticos diferentes não deve surpreender os estudiosos da História e da Cultura. Sua ascensão no fim do século XX e no início do século XXI pode ser atribuída à falência das crenças seculares, partidos políticos e governos que os sustentam e que facilitaram a ascensão de teocracias, sobretudo no mundo islâmico. Mas, o fenômeno do renascer da religião é universal, inclusive na China comunista e na Rússia pós "socialismo real", e indica uma forte tendência ao pluralismo, não somente religioso como também político. A idéia de Bush de exportar a "democracia" na ponta dos fuzis resultou no maior fracasso político e militar de nossa época.

Os principais atores nos conflitos violentos, inclusive de atentados contra civis inocentes, estão sendo formados e treinados por pregadores fanáticos, indivíduos que não são funcionários, civis ou militares de seus países. Por isso, a separação entre Igreja e Estado, tal como a preconizou o chanceler Otto von Bismarck, na segunda metade do século XIX, na Alemanha, parece fundamental sobretudo para o sistema educacional, universal, secular e gratuito. Por outro lado, não cabe ao Estado interferir nas crenças e práticas religiosas de seus súditos, mesmo quando constituem minorias ou imigrantes. Por outro lado, não deve invadir a esfera pública, tal como acontece atualmente no Irã, em outros países islâmicos, inclusive em Israel. A separação entre essas duas instituições não é um processo fácil e pacífico, como demonstram entre outros, a tensão permanente na Turquia, onde parte da população prefere claramente manter e praticar os preceitos do Islã, enquanto outra procura manter a natureza secular do Estado cujo fundador, Kemal Attaturk, continua sendo venerado, sobretudo pelos militares. Jawarharlal Nehru, quando ascendeu à presidência da Índia, queria "varrer" as religiões organizadas que "sempre defendem a fé cega e reações, dogmas, superstição e exploração em nome da preservação de interesses tradicionais". Gamal Nasser, presidente do Egito após o golpe militar que derrubou a monarquia, defendeu posição semelhante, perseguindo a Irmandade Muçulmana. A componente religiosa, quando entra nos conflitos étnicos, raciais e políticos, torna seu equacionamento e solução mais difícil e complexa. Como proceder quando os dois contendedores reclamam a posse de um determinado território em nome do direito divino? Israelenses e palestinos bem agradeceriam um palpite!

Extraído de:
Revista Espaço Acadêmico, número 83, abril de 2008.

terça-feira, 22 de abril de 2008

Jesus, um judeu marginal contra o Império romano

Jesus, um judeu marginal contra o Império romano (curso de extensão)
Lair Amaro dos Santos Faria

Sobre o professor:
Lair Amaro é mestrando do Programa de Pós-Graduação em História Comparada (PPGHC) na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e possui graduação (bacharelado e licenciatura) em História pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2007). Tem experiência na área de História com ênfase em História Antiga, mais especificamente em judaísmo helenístico e paleocristianismo. Desenvolve pesquisas sobre o Evangelho Q e aspectos relacionados, tais como memória, tradições orais e escritas, sociolinguística interacional, letramento e oralidade no mundo antigo.

Proposta: O mini-curso se propõe abordar alguns dos aspectos relacionados aos contextos social, cultural, econômico, político e religioso da Palestina do século I, que estão nas raízes do surgimento de um movimento político-religioso popular de revitalização do Judaísmo liderado por um judeu da Galiléia e que se expandiu para além de suas fronteiras geográficas e culturais: o cristianismo. O mini-curso dialoga com a antropologia cultural, a arqueologia e a crítica literária e é livre de valores e crenças religiosas pré-estabelecidas.

Programação
1.ª Sessão – A Palestina na virada das eras: o domínio de Roma.

2.ª Sessão – Bandidos, profetas e messias: movimentos populares no tempo de Jesus.
3.ª Sessão – Um reino sem intermediários: Jesus, um judeu da Galiléia, e a revitalização do Judaísmo.
4.ª Sessão – "Uma superstição depravada que se espalhou entre nós." A continuação do movimento de Jesus após a sua morte.

Informações:
Local: Centro de Estudos Arte e Cultura
Av. dos Italianos, 629 (ACIRM) – Rocha Miranda – Rio de Janeiro, RJ

Dias: 05, 12, 19 e 26 de Maio de 2008 (Segundas-feiras)
Horário: 18:30h às 20:30h
Investimento: R$ 40,00 (quarenta reais)
Tel.: 3451-5535 / 8871.0005 / 2792.1182
Link: www.site.pop.com.br/ceac
E-mail: lair_amaro@ufrj.br / ceac@yahoo.com.br
Confere-se certificado.



UERJ: V Encontro Brasileiro de Estudos Judaicos (dez/2008)

O Programa de Estudos Judaicos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro anuncia o V ENCONTRO BRASILEIRO DE ESTUDOS JUDAICOS que se realizará em 02 a 05 de Dezembro do presente ano no campus dessa Universidade, dando prosseguimento a sua programação trianual visando proporcionar um amplo debate em torno dos estudos e pesquisas realizadas sobre a temática judaica e, ao mesmo tempo, promover novos questionamentos e propostas críticas a serem incorporadas às futuras agendas de trabalho.

Este V Encontro centra-se em dois eixos temáticos principais: JUDAÍSMO E GLOBALIZAÇÃO e os 60 ANOS DO ESTADO DE ISRAEL e o ORIENTE MÉDIO que se desdobram em vários itens / sessões, conforme constam a seguir.

O Programa de Estudos Judaicos da UERJ deseja convidá-lo para participar deste evento acadêmico que se constitui em espaço de livre circulação de idéias. Caso deseje formar uma mesa envolvendo temática não contemplada na listagem sugerida, envie o nome da sessão, seus membros, resumos dos trabalhos a serem apresentados por cada autor. O prazo para atendimento das propostas de inscrições dos participantes com apresentação de “papers” será até o dia 10 de agosto de 2008 quando serão encaminhados para o Conselho Acadêmico para análise.

Haverá lançamento de livros. Caso deseje expor suas publicações, favor enviar os títulos e seus autores para que possamos providenciar espaço adequado para a exposição dos mesmos. Qualquer esclarecimento que se faça necessário, envie correspondência para os seguintes e-mails:

estudos_judaicos@yahoo.com.br
estudos.judaicos@gmail.com
hlewin@openlink.com.br


JUDAÍSMO E GLOBALIZAÇÃO
OS 60 ANOS DO ESTADO DE ISRAEL E O ORIENTE MÉDIO

Temática sugerida:
  • Nacionalismo e Fundamentalismo: implicações no mundo globalizado
  • Preconceitos revividos: o anti-semitismo
  • Conflitos contemporâneos: o Oriente Médio
  • Raízes judaicas no Brasil: os “cristãos novos’ e os “retornados”
  • Intolerância às minorias: racismo e anti-semitismo
  • As relações internacionais Brasil X Israel
  • Israel: a construção da nação e do estado: reflexões teóricas
  • As novas interpretações: o pós-sionismo
  • Estudos políticos: o mundo judaico aos 60 anos de Israel
  • Israelenses e Palestinos: a questão da Paz
  • A essência identitária judaica: modernidade e mudança
  • Discutindo Bauman sobre Globalização e Holocausto
  • Escrevendo e reescrevendo o Holocausto: análise crítica da produção intelectual
  • Os mitos e a caracterização marginal dos judeus: os indesejáveis convenientes
  • Dilemas de Israel como potência nuclear
  • Dispersões, diásporas e exílios na historiografia judaica
  • Judeofobia e ressurgência do anti-semitismo moderno
  • Trajetórias culturais das comunidades judaicas no Brasil e na América latina
  • A escritura Literária Judaica no Brasil e na América Latina
  • Imigração e a construção das comunidades judaicas: Brasil e América Latina
  • Pensamento filosófico judaico
  • Literatura israelense contemporânea
  • Demografia judaica no Brasil e no mundo
  • Escritos bíblicos: interpretações e debates
  • Continuidade e mudança: revisitando o papel da tradição judaica
  • Religião judaica e seus diferentes discursos: análise comparativa

III Congresso Brasileiro de Pesquisa Bíblica

Reproduzindo informação postada no Blog do Prof. Airton José da Silva sobre o III Congresso Brasileiro de Pesquisa Bíblica:

O III Congresso Brasileiro de Pesquisa Bíblica, promovido pela Associação Brasileira de Pesquisa Bíblica (ABIB), fundada em 2004, em Goiânia, acontecerá em São Paulo, provavelmente na PUC-SP, no mês de setembro de 2008. O tema central girará em torno da figura de Jesus.

Há confirmação das presenças, entre outros, do brasileiro Carlos Mesters e do norte-americano Richard A. Horsley, professor de Línguas Clássicas e Religião na Universidade de Massachusetts, Boston, USA.

Nas aldeias da Síria, a língua de Jesus tenta sobreviver à televisão e à Internet

Robert F. Worth
Em Malula, Síria

Elias Khoury ainda consegue se lembrar dos dias em que os velhos em sua aldeia em uma encosta falavam apenas aramaico, a língua de Jesus. Naquela época a aldeia, ligada à capital, Damasco, apenas por uma longa e sacolejante viagem de ônibus pelas montanhas, era quase inteiramente cristã, um vestígio de um Oriente Médio mais velho e mais diverso que existia antes da chegada do Islã.

Agora Khoury, 65 anos, grisalho e acamado, reconhece com tristeza que praticamente esqueceu a língua com que conversava com sua mãe.

"Está desaparecendo", ele disse em árabe, sentado com sua esposa em uma cama na casa de pau-a-pique onde cresceu. "Eu não uso muito do vocabulário aramaico, de forma que esqueci."

Malula, juntamente com duas aldeias vizinhas menores onde o aramaico também é falado, ainda é celebrada na Síria como uma ilha lingüística única. No Convento de São Sérgio, em uma colina acima da cidade, meninas recitam o Pai Nosso em aramaico para os turistas, e livretos sobre a língua são vendidos nas lojas de presentes no centro da cidade.

Mas a ilha se tornou menor com o passar dos anos, e alguns moradores locais dizem temer que não durará. Antes uma grande população que se estendia pela Síria, Turquia e Iraque, os cristãos de língua aramaica lentamente desapareceram, alguns fugindo para o Ocidente, alguns se convertendo ao Islã. Nas últimas décadas, o processo acelerou, com grandes números de cristãos iraquianos escapando da violência e do caos de seu país.

Yona Sabar, um professor de línguas semíticas da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, disse que hoje, Malula e suas aldeias vizinhas, Jabadeen e Bakhaa, representam os "últimos dos moicanos" do aramaico ocidental, que era a língua que Jesus supostamente falava na Palestina há dois milênios.

Com suas casas antigas situadas em uma fenda dramática nas montanhas, Malula antes era remota de Damasco, a capital síria, e os moradores locais passavam suas vidas aqui. Mas agora há poucos empregos e os jovens tendem a se mudar para a cidade para trabalhar, disse Khoury.

Mesmo quando retornam, a probabilidade é menor de falarem aramaico. Os ônibus em Damasco costumavam partir uma ou duas vezes por dia; agora partem a cada 15 minutos, e com as melhores estradas a viagem leva cerca de uma hora. O intercâmbio constante com a cidade grande, sem contar a televisão e a Internet, minou a separação lingüística de Malula.

"As gerações mais jovens perderam o interesse" no aramaico, Khoury disse com tristeza.

Sua neta, uma jovem de 17 anos de olhos brilhantes e calça jeans azul chamada Katya, ofereceu algumas poucas amostras da língua: "Awafih" para olá, "alloy a pelach a feethah" para Deus esteja com você. Ela aprendeu aramaico principalmente em uma nova escola da língua em Malula, criada há dois anos para manter a língua viva. Ela também sabe algumas canções e começou a aprender a escrever -algo que seu avô nunca aprendeu.

Khoury sorri com as palavras, mas lembra de como em sua infância, há 60 anos, os professores batiam nos estudantes que empregavam o aramaico em sala de aula, aplicando a política do governo de "arabização".

"Agora é o contrário", ele disse. As famílias falam árabe em casa e mais provavelmente aprendem o aramaico no centro da língua, onde alguns estrangeiros também estudam.

No cruzamento central da cidade, um grupo de jovens em frente a um mercado parecia confirmar a visão pessimista de Khoury.

"Eu falo um pouco de aramaico, mas mal consigo entender", disse Fathi Mualem, 20 anos.

John Francis, 20 anos, disse: "Meu pai escreveu um livro a respeito, mas mal consigo falar". (Nomes que soam ocidentais são comuns entre os cristãos na Síria e no Líbano.)

Malula -"entrada" em aramaico- tira seu nome de uma lenda que evoca a herança religiosa separada da cidade. Santa Tecla, uma bela mulher jovem que estudou com São Paulo, teria fugido de sua casa onde atualmente é a Turquia após seus pais pagãos a perseguirem por causa de sua nova fé cristã. Ao chegar a Malula, ela encontrou seu caminho bloqueado por uma montanha. Ela rezou e as rochas se dividiram em duas, com um riacho fluindo sob seus pés.

Atualmente os turistas sobem e descem o desfiladeiro estreito por onde a santa teria fugido, com rochas de cor rosada se erguendo 30 metros acima de uma trilha bastante percorrida. Perto dali, duas dúzias de freiras vivem no Convento de Santa Tecla, cuidando de um pequeno orfanato. ("Nós ensinamos o Pai Nosso para as crianças em aramaico", disse uma freira vestida de preto, "mas tudo mais é em árabe".) Há um templo na encosta da montanha onde Santa Tecla teria vivido, com uma árvore crescendo horizontalmente a partir dali.

Mas até mesmo a identidade cristã da cidade está desaparecendo. Os muçulmanos começaram a ocupar o lugar dos cristãos que emigraram, e agora Malula -antes totalmente cristã- é quase metade muçulmana, disseram os moradores.

A herança lingüística de Malula provocou algum interesse após o lançamento do filme de 2004 de Mel Gibson, "A Paixão de Cristo", com sua mistura de diálogos em aramaico, latim e hebraico. Virtualmente todos na cidade parecem ter visto o filme, mas poucos disseram tê-lo entendido. Mas não foi culpa deles: ele incluía dialetos diferentes de aramaico e a pronúncia dos atores dificultava entender algo, disse Sabar, o professor de línguas semíticas.

O aramaico também mudou ao longo dos séculos, assumindo elementos do árabe sírio, disse Sabar.

Mas a maioria dos moradores de Malula acredita que a língua ancestral de sua cidade ainda é a mesma falada por Jesus, e que ele a falará quando voltar.

"Nossos pais e avós sempre falavam conosco nesta língua", disse Suhail Milani, um motorista de ônibus de 50 anos com rosto enrugado. "Eu espero que não desapareça."

Tradução: George El Khouri Andolfato

Extraído de:
NYT, em 22/04/2008.

segunda-feira, 21 de abril de 2008

Pluralidade e conflito. As revoltas judaicas e a ideologia do poder. Uma história comparada das Guerras Judaicas entre os II a.E.C. e I E.C.

Pluralidade e conflito. As revoltas judaicas e a ideologia do poder. Uma história comparada das Guerras Judaicas entre os II a.E.C. e I E.C.
Autora:
Rosana Marins dos Santos Silva
Dissertação de Mestrado em História Comparada (UFRJ).
Data da defesa:
ano de 2006.
Resumo: Esta pesquisa se propõe a apresentar uma análise comparada das revoltas judaicas compreendidas nos anos 167 a.E.C. e 70 E.C. na Judéia, sob os governos dos selêucidas e romanos. Seu propósito será o de proporcionar um novo modelo de interpretação dos fatos ocorridos a partir de fontes primárias escritas pouco tempo depois das revoltas que sobreviveram até os nossos dias. Será estabelecida uma relação entre os eventos estudados com o intuito de identificar causas e desdobramentos que sejam concomitantes às duas revoltas, desenvolvendo assim um quadro comparativo para identificação dos fenômenos sócio-políticos que permeavam a Judéia durante o período estudado. O enfoque dado aos eventos perpassará, principalmente, na ênfase de que, durante o período das duas revoltas em questão, o judaísmo estava dividido em numerosas coalizões cuja tendência era a radicalização das normas em prol de uma afirmação de qual seria a verdadeira identidade judaica. Daí que os movimentos de resistência insurgidos durante as revoltas contra selêucidas e romanos foram expressão de constantes tensões socioculturais dentro do próprio judaísmo desde o momento em que sentiram sua existência ameaçada.

O messianismo de um galileu chamado Jesus e sua visão de um novo tempo e de um novo templo

O messianismo de um galileu chamado Jesus e sua visão de um novo tempo e de um novo templo
Autor:
Daniel Soares Veiga
Dissertação de Mestrado em História Comparada (UFRJ).
Data da defesa:
ano 2005.
Resumo: A presente pesquisa revela o conflito entre um judaísmo “oficial” e um outro tipo de judaísmo, regional; este traduzido na forma de uma expectativa messiânica. Expectativa esta personificada por um galileu que, através das suas ações mágicas de curas, moldou o messianismo do seu grupo e o levou a tomar uma posição contra um discurso religioso centralizador mediado por uma hierarquia sacerdotal. O messianismo materializado por Jesus trazia na sua essência as tradições e a mentalidade de origem de Jesus: a Galiléia.

A pedagogia libertadora das Parábolas de Jesus: uma leitura à luz do método freireano

A pedagogia libertadora das Parábolas de Jesus: uma leitura à luz do método freireano
Autor:
Darci Donizetti da Silva
Dissertação de Mestrado em Ciência da Religião (PUC-SP)
Data de defesa:
29/05/2006.
Sinopse: O conteúdo desta pesquisa foi instrumentalizado em torno de uma leitura freireana do método pedagógico libertador das parábolas de Jesus. Para tanto, num primeiro momento se fez necessário conhecer o pedagogo Paulo Freire, sua vida, sua imersão na história e a emersão de seu método como transfiguração de uma realidade opressiva e marginal. Do conjunto do seu pensamento alçamos algumas categorias a partir de três eixos: o homem como sujeito histórico e que imergi em sua realidade para dela emergir como homem livre; capaz de exercer sua capacidade criadora – conscientizar-se, não para a opressão, mas para o diálogo que gera através da denúncia e do anúncio a comunhão e a liberdade. O segundo momento abordou uma visão do Jesus histórico, a evolução das pesquisas sobre a sua pessoa, o contexto em que as parábolas surgiram e o método parabólico em si, em vista de se demonstrar uma interpenetração de temas e a importância que isto tem para uma compreensão das contribuições que um realiza ao outro. Por fim, realizamos a leitura que cruza as duas pedagogias, a freireana e a jesuânica, através da leitura de três parábolas que refletem as dimensões: religiosa – um conflito que questiona as atribuições de valor dadas pelo ser humano –; social – através das exigências presentes nas relações humanas de convivência, respeito e cuidado para com o outro e econômica – que leva a uma luta pela sobrevivência e provoca o ser humano a sair de sua latência. As parábolas funcionariam como situações codificadas da realidade, que apresentadas aos ouvinteseducandos, reunidos em círculo de cultura, realizariam um confronto com a realidade a fim de propiciar a reflexão crítica da situação em que se encontram imersos; libertarem-se das amarras que os aprisionam, criando, assim, condições para que “digam sua própria palavra”.

domingo, 20 de abril de 2008

Debate em torno da Redação e Composição do Livro de Amós:

Debate em torno da Redação e Composição do Livro de Amós: Propostas Fundamentais para a Teoria da Criação Coletiva a partir de Amós 6,1-14
Autor:
Alzir Sales Coimbra
Tese de Doutorado em Ciência da religião (Universidade Metodista de São Paulo)
Data de Defesa:
dez/2007.
Resumo: Esta pesquisa se dedica ao debate em torno da redação e composição do livro de Amós, e pretende, primeiramente, apresentar e criticar algumas hipóteses sobre as camadas literárias, que poderiam pertencer ao próprio profeta, e os acréscimos tardios. Como primeiro passo para uma abordagem do problema redacional, este estudo examina algumas contribuições de especialistas estrangeiros e de estudiosos brasileiros, e tenta fazer um julgamento crítico de suas hipóteses sobre a redação do livro de Amós. A questão do processo redacional do livro de Amós tem sido, na verdade, objeto de uma animada discussão entre muitos estudiosos. Em segundo lugar, a leitura diacrônica é complementada com o estudo sincrônico do livro, isto é, com o debate em torno da estrutura não só da composição em Amós 6,1-14, mas também do livro todo. Em terceiro lugar, a partir da avaliação do resultado da pesquisa e com a utilização do método histórico-crítico, a composição em Amós 6,1-14 é analisada como uma unidade literária de sentido. Para tal análise são, indubitavelmente, relevantes algumas considerações prévias sobre o gênero literário da lamentação, a denúncia profética da injustiça social e a instituição do banquete do marzeah. Em seqüência, esta tese analisa o fenômeno literário dos panfletos proféticos e da organização social, que poderia estar por detrás de sua autoria. Por isso, e levando em conta o desafio de novas propostas metodológicas, esta pesquisa visa dar uma contribuição específica ao estudo de Amós. Ela se empenha em demonstrar que, em relação a Amós 6,1-14, o leitor está diante de uma criação coletiva. De fato, a mencionada composição é o resultado não só da pregação oral do próprio profeta, mas também, em razão de sua forma compósita, das vozes proféticas de pessoas oprimidas, que, impulsionadas pelo Espírito, confirmaram a denúncia severa de Amós e até a completaram com suas próprias experiências e sofrimentos. Finalmente, um despretensioso excursus examina o livro de Amós em um contexto literário mais amplo, para dar uma visão geral do debate em torno do processo redacional do Livro dos Doze Profetas, particularmente a partir de sua perspectiva escatológica mediante a categoria teológica do Dia do Senhor.

Por uma semiologia bíblica (Eliana Branco Malanga)

Embora a Bíblia seja um livro bastante antigo, nunca como em nossos dias, foi tão estudado. Para grande parte dos povos do Ocidente, ele representa uma obra sagrada, ligada às suas religiões. Para outros, trata-se apenas de uma obra antiga, ligada às raízes da nossa cultura. Há outras formas de ver a Bíblia: como literatura, como registro histórico e social de uma época, sob o ponto de vista da ética e tantos outros aspectos. Cabe distinguir, basicamente, duas abordagens nos estudos bíblicos, sendo a primeira, mais antiga, a religiosa, e a segunda, mais recente, a científica. E, embora se costume ver oposição entre ciência e religião em muitos campos da atividade humana, nesse caso não é obrigatoriamente assim, pois, muitos religiosos costumam estudar o texto bíblico recorrendo a métodos científicos.>>> Veja mais em Arquivo Maariv, número 2, o artigo intitulado “Por uma Semiologia Bíblica” (Eliana Branco Malanga).

A Bíblia Hebraica como Obra Aberta

MALANGA, Eliana Branco. A Bíblia Hebraica como obra aberta: uma proposta interdisciplinar para uma semiologia bíblica. São Paulo: Associação Editorial Humanitas: Fapesp, 2005. 336 p.

Observação: Originalmente o trabalho de Eliana Malanga foi apresentado como sua tese de doutoramento, no Departamento de Lingüística da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade do Estado de São Paulo (USP), em 2002.

Sinopse: Este livro pretende demonstrar como é possível à semiologia ser um instrumento útil para o estudo científico da Bíblia. O conceito de “obra aberta” de Umberto Eco, que designa a obra artística, é aqui empregado para entender como pôde a Bíblia Hebraica sobreviver por séculos, sendo lida e apreciada por milhões de pessoas, não necessariamente judias. Em razão da estrutura poética da linguagem usada em muitas partes dos textos bíblicos, eles são “abertos” e podem ganhar novos significados a cada geração. Ser “aberto” significa admitir muitas possibilidades de significado para o mesmo texto.

Veja mais sobre Eliana Malanga em:


Bíblia abriga duas versões contraditórias da criação do mundo

Deus tem nomes diferentes e realiza ações em ordem inversa em textos do Gênesis.
Datação e contexto cultural explicam incongruências; política também impactou texto.

Reinaldo José Lopes
Do G1, em São Paulo, em 06/04/2008.

A maioria esmagadora dos leitores da Bíblia não percebe, mas os dois primeiros capítulos do livro sagrado de cristãos e judeus retratam não uma criação do mundo, mas duas. O ser humano surge de duas maneiras diferentes, uma logo depois da outra, e até o deus responsável pela criação não tem o mesmo nome nos dois relatos.

Essa natureza contraditória e fascinante do Gênesis, o primeiro livro da Bíblia, está sendo revelada por uma série de estudos históricos e lingüísticos do texto sagrado. A arqueologia, por sua vez, mostra a relação dessas histórias com as de outros povos do Oriente Médio -- às vezes tão parecidas com o Gênesis que ajudam a recriar a "pré-história" das Escrituras.

"A hipótese básica é que os textos bíblicos foram reunidos de várias fontes diferentes, de períodos diferentes, ao longo de nove séculos", explica Suzana Chwarts, professora de estudos da Bíblia hebraica na USP. "Essa é a chamada hipótese documentária, discutida aos gritos em qualquer congresso internacional desde o século 19 até hoje", brinca Chwarts, referindo-se às polêmicas que rondam a idéia.

Controvérsias à parte, a hipótese documentária costuma ver dois textos-base principais para as narrativas da criação, conhecidos pelas letrinhas P (primeiro relato) e J (o segundo). As diferenças entre a dupla são numerosas, como se pode conferir no infográfico abaixo.

De P a J
O relato de P é o único a detalhar a criação de todos os corpos celestes e seres vivos em seis dias. Nele, o homem e a mulher são criados ao mesmo tempo, e a divindade usa apenas palavras para fazer isso. Já o relato de J inverte a ordem de alguns elementos e, na verdade, enfoca apenas a criação dos seres humanos (trata-se da famosa história do homem feito de barro e da mulher modelada a partir de sua costela).

De quebra, os personagens que comandam a ação parecem não ser os mesmos. O primeiro recebe o nome hebraico Elohim (originalmente uma forma do plural, como "deuses", mas usada para designar uma única divindade), normalmente traduzido simplesmente como "Deus". O segundo é apresentado como Yahweh Elohim (dependendo da versão da Bíblia, chamado de "Senhor Deus" ou "Javé Deus" em português). Os indícios nesse e em outros textos bíblicos sugerem que os dois nomes refletem a influência de antigos deuses pagãos sobre a concepção de Deus dos antigos israelitas, autores e editores da obra.

As idéias sobre a origem dos relatos são variadas. Recolhendo pistas no texto hebraico completo da Bíblia, há quem aposte que J é o material mais antigo da dupla, tendo sido composto por volta do ano 700 a.C. Por outro lado, fala-se numa data mais recente para P, talvez a fase que se seguiu ao exílio dos habitantes do reino de Judá (a parte sul do antigo Israel) na Babilônia -- ou seja, pouco antes do ano 500 a.C.

Chwarts, no entanto, diz que a principal diferença entre a dupla talvez não seja a data, mas a visão de mundo. P teria sido escrito pela casta sacerdotal israelita, a julgar pelo seu ritmo altamente ritualizado e organizado. "Ele é arquitetonicamente estruturado e ordenado, hierárquico. É totalmente antimitológico: tudo é criado pela palavra, inclusive os astros celestes, que são divindades em todas as outras culturas do Oriente Médio antigo, viram meras criações de Deus", afirma ela. Já o segundo relato "não traz uma reflexão filosófica, mas reflete a visão popular de um camponês na terra de Israel. Esse é um deus mais paternal: quando cria o homem, o verbo usado é yatsar, ou seja, modelar a partir de uma substância", explica.

Polêmica
O curioso é que elementos que lembram tanto a primeira quanto a segunda história da criação aparecem em textos desencavados por arqueólogos no Oriente Médio. "A imagem de deuses fazendo uma série de pequenos humanos com argila, como se fossem oleiros, também é muito comum", lembra Christine Hayes, professora de estudos judaicos da Universidade Yale (EUA). O mais famoso desses textos mitológicos é o "Enuma Elish", achado no atual Iraque e escrito em acadiano, uma língua aparentada ao hebraico. Tal como o primeiro capítulo do Gênesis, o "Enuma Elish" também descreve um mundo primordial coberto pelas águas, que é organizado por um deus -- no caso, Marduk, que estabelece o firmamento celeste, a terra firme e os astros.

Como explicar as semelhanças? Para Osvaldo Luiz Ribeiro, doutorando da Pontifícia Universidade Católica do Rio (PUC-RJ) cuja tese versará justamente sobre a primeira narrativa da criação, não é preciso pensar numa influência direta do "Enuma Elish" (que pode ter sido escrito por volta de 2.000 a.C.) sobre a Bíblia. "Esses relatos dependem mais da plataforma cultural comum do mundo semita [grupo que incluía tanto israelitas quanto os falantes do acadiano]" -- ou seja, teriam apenas uma origem remota comum.

Já Christine Hayes vê as semelhanças, na verdade, como uma crítica polêmica dos israelitas aos seus vizinhos pagãos. Ao adorar um deus único e soberano sobre a natureza, eles teriam usado elementos parecidos para contar uma história totalmente diferente. O deus Marduk, por exemplo, precisou lutar contra uma feroz deusa aquática, chamada Tiamat -- uma espécie de representante das águas primordiais --, para criar o mundo. Já o Deus da primeira narrativa da criação simplesmente manda as águas se mexerem -- e elas se mexem sem resistência, argumenta Hayes.

"O ouvinte antigo imediatamente ia ficar de orelhas em pé. Ia ficar pensando: cadê a batalha? Cadê o sangue? Achei que conhecia essa história", diz a pesquisadora. Chwarts e Hayes também lembram o forte tom de otimismo das histórias da criação bíblica, em especial na primeira narrativa (a segunda é mais comedida nesse aspecto). Ao contrário das histórias similares entre outros povos antigos, os autores e editores bíblicos estariam rejeitando a idéia de que o mal faria parte da estrutura do mundo desde o começo. Não é à toa que, depois de cada obra, afirma-se que Deus viu que aquilo "era bom" ou "era muito bom". "Você sente aquele tremendo influxo de otimismo: o mundo é bom! Os seres humanos são importantes, têm propósito e dignidade", diz Hayes.

Terroso
A análise moderna do texto hebraico revela outras surpresas em relação a Adão, o suposto ancestral isolado de todos os seres humanos. "Para começar, Adão não é um nome próprio", diz Hayes. A primeira narrativa diz que Deus criou o 'adam -- com artigo definido, como se fosse uma categoria de seres, e não um indivíduo. "Já se traduziu 'adam como o terroso [ou seja, o feito de terra]", conta Osvaldo Ribeiro. De quebra, nesse relato diz-se explicitamente que o 'adam, homem e mulher juntos, são criados ao mesmo tempo e ambos seriam "imagem e semelhança" de Deus.

"É que, no mundo antigo, não se concebe um deus sozinho. Todo deus tem sua fêmea -- não dá para imaginar um deus celibatário", explica Rafael Rodrigues da Silva, professor do Departamento de Teologia e Ciências da Religião da PUC-SP.

Política pós-exílio
Silva diz que a relação entre 'adam e 'adamah, ou "terra" em hebraico, tem a ver com a idéia de terra enquanto lavoura, terreno para plantar. Nesse caso, as narrativas do Gênesis estariam de olho na necessidade de voltar a cultivar a terra da Palestina depois que o povo de Judá voltou do exílio na Babilônia.

Ribeiro, da PUC-RJ, aposta justamente nessa interpretação social e política para explicar a primeira narrativa da criação. "Essas narrativas tinham uma função específica no antigo mundo semítico, e essa função aparentemente não tinha a ver com a nossa visão delas como relatos da origem de tudo o que existe", afirma. O "Enuma Elish", por exemplo, era recitado na construção de templos e cidades -- como uma parte ritual da ação criadora que estava sendo executada.

Ora, ao voltar do exílio, os ancestrais dos judeus, capitaneados pelos sacerdotes, viram-se diante da tarefa de reconstruir o Templo de Jerusalém -- e o relato da criação seria justamente uma versão ritual desse processo. Ribeiro afirma que há um paralelo claro entre a situação de caos e de desolação antes da ação divina e a terra de Israel devastada pela guerra. "Por exemplo, quando uma cidade é destruída na Bíblia, há a invasão das águas", diz. Isso explicaria também porque, estranhamente para nós, Deus não cria as coisas do nada, mas reorganiza elementos que já estão presentes -- como alguém que traz de novo a lei e a ordem para uma região.

"Eu sinceramente nem sei se os povos semitas antigos tinham essa noção da criação do Universo inteiro a partir do princípio. Para eles, a criação significava provavelmente a criação de sua própria cultura, de sua própria civilização. O que ficava fora dos muros da cidade ou dos campos cultivados perto dela era considerado o caos", afirma Ribeiro.

Contradições preservadas
Diante da história complicada e tortuosa do texto, a pergunta é inevitável: por que os editores antigos resolveram preservar as contradições, em vez de apagá-las?

"Porque ambas eram respeitadas em seus círculos, ambas eram fontes com autoridade, e os redatores bíblicos utilizaram o sistema de edição 'cortar/colar', e nunca 'deletar'. Para o pensamento semita antigo, não há contradição alguma em dois relatos diferentes estarem no mesmo livro. Aliás, a idéia é que a palavra de Deus é múltipla e e se expressa de múltiplas formas, assim como sua verdade", arremata Suzana Chwarts.