Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

sábado, 19 de dezembro de 2009

O Cristo eterno na história cósmica

IHU (19/12/2009)

O Cristo eterno na história cósmica: Pe. Richard Rohr é um sacerdote franciscano da província do Novo México, nos EUA. Ele fundou a New Jerusalem Community, em Cincinnati, em 1971, e o Centro para Ação e Contemplação, em Albuquerque, em 1986, onde ele atualmente atua como diretor-fundador. Ele contribui regularmente com as revistas Sojourners e Tikkun e é autor de livros como "Everything Belongs: The Gift of Contemplative Prayer", "Things Hidden: Scripture as Spirituality" e "Adam’s Return: The Five Promises of Male Initiation". Ele é um palestrante e orientador de retiros muito requisitado. Os temas que ele aborda incluem a integração da ação e da contemplação, a construção de comunidades, questões de paz e justiça, espiritualidade masculina, ecoespiritualidade e o Cristo cósmico. Aqui, conversamos com Rohr sobre esse último assunto, sobre como Jesus se encaixa na nova história do universo. A reportagem é de Rich Heffern, publicada no sítio National Catholic Reporter, 11-12-2009. A tradução é de Moisés Sbardelotto. Eis a entrevista. Na Missa de Vésperas do Natal na minha paróquia, todos os anos, eu ouço a proclamação da genealogia de Jesus, a figura central do cristianismo, afirmando que toda a criação só tem alguns milhares de anos. Eu estremeço quando eu ouço isso, por causa da atualização que tivemos com a história cosmológica que a ciência vem nos contando desde os últimos cem anos. É Natal, e eu quero Jesus junto com a atualização. Como Jesus se encaixa nessa nova história da ciência que nos diz que o universo têm 14 ou 15 bilhões de anos, e a nossa Terra, pelo menos, cinco bilhões de anos? >>> Leia mais, clique aqui.


Veja mais:


Nenhum comentário: