Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

domingo, 11 de janeiro de 2009

Felicidade // Estudo analisa religiosidade

Diário de Pernambuco 10/01/2009.

Felicidade // Estudo analisa religiosidade



Madri (EFE) -
As práticas religiosas, como ir à igreja ou rezar, são pouco influentes para determinar o grau da felicidade de uma criança, aponta um estudo da British Columbia University do Canadá. É a espiritualidade, entendida como sistema de confiança interior de uma pessoa, o fator mais importante para que as crianças sejam felizes, seguido de seu temperamento.


A pesquisa, liderada por Mark Holder e publicada no último número da revista Springer's Journal of Happiness Studies, consistiu em analisar a felicidade de 320 crianças de idades entre 8 e 12 anos procedentes de quatro colégios públicos e dois religiosos através de questionários preenchidos por eles e seus pais.


As crianças mais felizes são as que sentem que sua vida faz sentido e que desenvolvem relações interpessoais mais profundas, ambas características da espiritualidade.


Diversos estudos já relacionaram a religiosidade e a espiritualidade com a felicidade de adultos e adolescentes, mas existem poucas pesquisas feitas com crianças.


Os aspectos pessoais íntimos, como a auto-estima e a concepção do sentido da vida, e os comunitários, a qualidade das relações pessoais, são os fatores mais determinantes na felicidade de uma criança.


O comportamento também é importante: as crianças mais sociáveis e menos tímidas são mais felizes. No entanto, segundo os pesquisadores, as práticas religiosas, tais como reza, meditação e participação dos rituais eclesiásticos, têm muito pouco efeito sobre a felicidade delas.


Críticas - Em Londres, a Autoridade para Padrões Publicitários, o organismo de auto-regulação da publicidade no Reino Unido, terá que intervir em uma disputa sobre a existência ou inexistência de Deus, depois de ter recebido 48 queixas de pessoas sobre uma campanha de publicidade ateia nos ônibus britânicos.


Oitocentos ônibus estão com a mensagem: "Provavelmente, Deus não existe. Portanto, pare de se preocupar e aproveite a vida".


Stephen Green, um militante cristão que liderou os protestos contra a transmissão pela BBC da ópera Jerry Springer, considerada blasfêmia, pediu à citada agência que exija a retirada dessa publicidade, porque a afirmação feita nela não pode ser provada.


Os organizadores da campanha queriam um slogan mais contundente sobre a inexistência de Deus, mas, no fim, aceitaram diminuir o tom, inserindo o advérbio "provavelmente" para cumprir as regras da agência.

Nenhum comentário: